O discurso dos BET Awards que está a correr o mundo


Os BET Awards foram criados em 2001 pela Black Entertainment Television para premiar artistas afro-americanos do mundo do entretenimento. Não é por isso estranho que os direitos dos negros sejam um tema recorrente nos discursos dos vencedores.

Mas porque o orgulho racial vem normalmente de mão dada com a discriminação, e porque os Estados Unidos têm sido palco de inúmeros casos de violência e preconceito para com a comunidade negra, o discurso de Jesse Williams chegou no momento certo.

O actor da série Anatomia de Grey recebeu o “Humanitarian Award” pelo seu trabalho como activista na associação Black Lives Matter. Depois de ter agradecido aos pais e à mulher, Jesse disse que: “Este prémio não é para mim. É para os activistas, para os advogados de direitos civis, para os pais que passam dificuldades, para as famílias, para os professores, para os estudantes, que estão a perceber que um sistema construído para nos dividir, empobrecer e destruir não pode continuar se nós nos mantivermos em pé”.

A cada frase levantavam-se mais pessoas. Houve gritos de apoio e lágrimas, à medida que também aumentava a emoção do discurso. “Sabemos que a polícia conseguiu, de alguma forma, reduzir, desarmar e não matar pessoas brancas todos os dias. Então o que vai acontecer é que vamos alcançar a igualdade de direitos e de justiça no nosso país ou vamos reestruturar a função deles e a nossa”.

Williams relembrou várias vítimas negras de violência polícial. Entre elas estava, Tamir Rice, um jovem que foi baleado por polícias em 2014, quando tinha 12 anos, enquanto brincava num parque em Cleveland.

O público foi-se levantando aos poucos até toda a plateia estar de pé entregue às suas palavras. Jesse Williams foi ovacionado nas cerimónia e nas redes sociais. O actor Samuel L Jackson chegou mesmo a dizer que foi o melhor discurso que ouviu desde 1960. O discurso foi tão partilhado que acabou por ser retirado da Internet mas é possível vê-lo na íntegra, em inglês, no Twitter oficial da actriz Uche Jombo Rodriguez.

Foi também no Twitter que o discurso virou hashtag. Entre os milhares de comentários destacaram-se os de Justin Timberlake que acabou por ter que pedir desculpa pelos elogios feitos a Jesse, depois de alguns utilizadores terem ficado ofendidos e terem acusado Timberlake da agora tão-falada cultural appropriation.

O discurso acabou por roubar todas as atenções da gala. Ainda assim, houve outro momento altamente aclamado nas redes. A actuação de abertura surpresa de Beyonce com Kendrick Lamar, que juntos interpretarem “Freedom”. Não é preciso dizer mais nada pois não?

Outro dos momentos altos da noite foram os tributos a Prince. Destacamos o de Erykah Badu, The Roots e Bilal, e o de Stevie Wonder, Tori Kelly e Jennifer Hudson.

Somaram-se actuações de Alicia Keys, Usher, Anderson Paak ou Desiigner a ausência polémica de D’Angelo, um makeover do musical Hamilton em versão Trap e as múltiplas mensagens políticas, principalmente contra Donald Trump.

Os BET Awards acontecem anualmente. Os intervenientes prometem continuar com as mensagens inspiradoras enquanto continuarem as injustiças.