Mark Zuckerberg sofreu um “twitterjacking”


twitterjacking
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Este domingo, o fundador do Facebook teve as suas contas de Twitter, Pinterest e LinkedIn invadidas por utilizadores indevidos. Suspeita-se o sucedido possa estar relacionado com uma fuga de passwords do LinkedIn que aconteceu em 2012.

Mark Zuckerberg não foi o único a sofrer “twitterjacking”. Nos últimos dias, várias celebridades têm tido as suas contas de Twitter invadidas. Katy Perry, Keith Richards, Tenancious D, Kylie Jenner e Ryan Dunn são apenas alguns exemplos. Não é certo que estes casos estejam relacionados, mas é no mínimo suspeita a coincidência temporal dos mesmos.

A 5 de Junho de 2015, o LinkedIn foi atacado por hackers russos. Na altura, cerca de 6,5 milhões de passwords encriptadas foram publicadas online e o LinkedIn nunca esclareceu quantos utilizadores foram de verdade afectados. Hoje desconfia-se que esse mesmo ataque tenha sido muito maior. Em Maio, o site Motherboard descobriu uma base de dados à venda num mercado negro online com 117 milhões de endereços de email e passwords. O hacker, que dá pelo nome de Peace e que estava a tentar vender a base de dados por 5 bitcoins (cerca de 2200 dólares), disse à mesma publicação que os acessos foram conseguidos no ataque de 2012.

zuckerbergtwitterjacking_02

A password de Mark Zuckerberg pode ser uma das muitas a constar nesta nova base de dados. Provavelmente o CEO do Facebook usou a mesma palavra-passe em vários sites (um grande erro), daí ter tido o seu Twitter, Pinterest e LinkedIn invadidos de uma vez só. O ataque terá sido feito por um grupo de hackers chamado Ourmine e que tinha mais de 40 mil seguidores no Twitter, antes de a sua conta ter sido eliminada nesta manhã de segunda-feira.

O Engadget obteve screenshots do Twitter de Zuckerberg hackeado. O fundador do Facebook não partilha nada nesta rede social desde 2012. O seu Pinterest também está às moscas.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!