Apple pode estar a tentar comprar o TIDAL


O TIDAL não conseguiu ganhar expressão no mercado – mesmo depois do seu relançamento, em 2015, por Jay Z como a única plataforma de streaming de música controlada pelos artistas. O áudio de alta qualidade não se revelou um grande factor diferenciador e os lançamentos exclusivos do TIDAL nunca foram propriamente exclusivos ou relevantes.

Diz o Wall Street Journal, citando fontes próximas, que a Apple está em conversações para adquirir o TIDAL. A empresa de Tim Cook deverá estar particularmente interessada na relação forte entre o TIDAL e alguns artistas como Beyoncé (a mulher de Jay Z) e Kanye West. O último disco do rapper norte-americano, The Life of Pablo, foi lançado em exclusivo na plataforma, antes de chegar ao Spotify e Apple Music.

O mesmo jornal dá conta de que as conversações entre as duas empresas estão a decorrer e podem não resultar num acordo. Um porta-voz do TIDAL já disse que os executivos da empresa nunca se sentaram com a Apple. A Apple não comentou. Recorde-se que Jay Z comprou o serviço de streaming de música em Março de 2015, por 56 milhões de dólares, à empresa sueca Aspiro, que tinha criado a marca TIDAL.

O TIDAL disse ter 4,2 milhões de assinantes pagos, um número distante dos 30 milhões do Spotify ou dos 15 milhões do Apple Music. Grande parte desses subscritores inscreveram-se para ouvir os lançamentos exclusivos de Kayne West e outros. O serviço é o único que disponibiliza a discografia de Prince, que faleceu em Abril aos 57 anos por overdose – Prince mantinha uma relação próxima com Jay Z.