‘Planet of the Apps’ é a primeira série televisiva da Apple


A Apple está a trabalhar em séries e outros conteúdos programáticos próprios, explorando um território no qual o Netflix foi pioneiro com House of Cards ou Orange is The New Black. Planet of the Apps é a primeira série original de Cupertino e, como o nome indica, será sobre apps.

Produzida por Ben Silverman, Planet of the Apps vai ser uma espécie de reality-show que reunirá programadores (por exemplo, tu) e as suas aplicações desenvolvidas para o ecossistema Apple.

Se queres participar, tens até 26 de Agosto para te inscreveres no site da série (precisas de viver legalmente nos EUA). Depois é aguardar que sejas um dos 100 seleccionados. Precisas de ter uma app que funcione num dos sistemas operativos da Apple – iOS, macOS, tvOS ou watchOS – por 21 de Outubro; versões beta também são elegíveis.

Planet of the Apps será gravado em Los Angeles entre final de 2016 e início de 2017. Os candidatos aprovados terão a oportunidade de trabalhar com “algums dos maiores especialistas do mundo em tecnologia e entretenimento”, de conhecer potenciais investidores com até 10 milhões de dólares no bolso e de ter a sua app em destaque na App Store no final do programa.

Numa entrevista recente ao Hollywood Reporter, o executivo Eddy Cue revelou que a Apple não está interessada no negócio das produções ao estilo Netflix – todavia, além de Planet of the Apps, a empresa está a trabalhar num outro conteúdo original. Sobre esse pouco se sabe, tirando que será assinado pelo Dr. Dre (Apple Music).

No início de 2015, surgiu o rumor de que a Apple estaria a preparar um pacote de 25 canais de TV para distribuir através da renovada Apple TV, setbox que seria revelada depois do Verão desse ano. A nova Apple TV foi, de facto, apresentada mas o tal serviço não. Contudo, isso não quer dizer que a tecnológica tenha desistido; segundo Cue, o foco é na Apple TV. “Quer sejamos nós a oferecê-lo [um um serviço de TV] ou outra empresa qualquer, não nos interessa. O que estamos a tentar fazer é criar uma plataforma que permite a qualquer pessoa fazer o seu conteúdo chegar aos consumidores”, disse ao Hollywood Reporter.

Sobre as séries originais em produção, o executivo explicou que a presença da empresa no negócio de conteúdos faz sentido apenas com projectos que “pensamos estar de facto vinculados aos nossos produtos”. E acrescentou: “Não estamos a tentar competir com o Netflix ou com o Comcast.”