Adeptos do Celtic mostraram uma poderosa mensagem em jogo contra equipa israelita


Aconteceu dia 17 de Agosto num jogo que contava para o acesso à Liga dos Campeões. Adeptos do Celtic levantaram a bandeira palestiniana durante um jogo contra os israelitas do Apoel. O clube escocês foi multado pela UEFA por causa das atitudes dos adeptos que, nem assim desistiram da sua causa e juntaram cerca de 140 mil libras para ajudar a Palestina – o valor da multa do organismo que tutela o futebol europeu.

A UEFA condena todas as mensagens políticas que os adeptos tentem passar durante os jogos e o gesto da claque Green Brigade do Celtic no encontro com o Apoel foi exclusivamente político. Ao contrário de Israel, a Palestina é um Estado reconhecido apenas por alguns países, 134, número onde não se incluem nem os Estados Unidos, nem Portugal – ambos constituem com mais 26 territórios a aliança atlântica NATO.

Para perceber a relação entre palestinianos e israelitas é preciso recuar a 1917, quando o exército britânico conquistou a vasta região da Palestina e que durante os últimos séculos tinha estado nas mãos do Império Otomano. Em 1947, as Nações Unidas propuseram dividir o território da Palestina em dois estados, um para os judeus, outro para os árabes, mas isso nunca aconteceu.

A guerra entre judeus e árabes deu-se. Em 1948, os britânicos deixaram a Palestina e o Estado de Israel foi criado, ocupando uma área territorial maior que a inicialmente proposta pelas Nações Unidas. Da Palestina, restou apenas a Faixa de Gaza e a Cisjordânia. Jerusalém, cidade-santa para três grandes religiões monoteístas – o judaísmo, o cristianismo e o islamismo –, ficou nas mãos dos judeus de Israel, que a reclamaram como sua capital. Depois da sua constituição, Israel continuou a tirar terreno à Palestina, destruindo vilas, obrigando à migração dos palestinianos e construindo um gigante muro na Cisjordânia.

O estado árabe foi declarado independente em 1988, na altura como Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Em 2012, foi reconhecido pelas Nações Unidas como Estado da Palestina e recebeu o estatuto de “estado observador não-membro”, uma classificação semelhante à do Vaticano, ou seja, um Estado parcialmente reconhecido.

A recolha de fundos online dos adeptos do Celtic desafiou os internautas a igualar o montante da multa da UEFA. O seu primeiro objectivo – recolher 75 mil libras – foi atingido em menos de 24 horas e esta quarta-feira o montante alcançado está quase a alcançar o objectivo final de 140 mil libras. Cerca de 8 mil pessoas já contribuíram.

O dinheiro recolhido vai permitir ajudar a Palestina através da organização não-governamental britânica Medical Aid Palestine e do Lajee Centre, um centro cultural e desportivo em funcionamento no campo de refugiados de Aida, nos arredores de Belém. Graças aos adeptos do Celtic, este centro vai poder ter uma equipa de futebol jovem no campeonato local, com equipamentos e um mini-autocarro para transportar os jogadores.

A acção solidária já chegou à Palestina e foram muitos os que já vieram agradecer a ajuda dos escoceses. Um vídeo gravado no campo de refugiados mostra a gratidão.