As frases da Folia (dia 1)


Com o início do FOLIO (Festival Literário Internacional de Óbidos) chegam as mesas de debate e entrevistas a escritores principiantes e a colossos da literatura — Villalobos, V.S Naipaul ou Salman Rushdie são só alguns deles.

Nesta edição, o Shifter decidiu compilar, dia-a-dia, algumas das frases mais interessantes de cada conversa, podendo elas passar pelo sarcasmo, clarividência de pensamento ou até pela polémica. O primeiro dia, com a dureza do debate sobre o continente africano, humor entre jornalistas e Naipaul em idade avançada (pouco falou, por eventuais dificuldades) rendeu-nos as seguintes tiradas:

 

“They kill because they’re white, they kill because they’re farmers” (sobre o colonialismo) — Breyten Breytenbach

“O Estado unitário não corresponde às expectativas de unidade” – Adolfo Maria

“Não houve na minha vida um Plano Quinquenal” – Carlos Freire (fotógrafo)

“São os afetos que me movem. Estou na fase professor Marcelo” – Joel Neto

“O guião é como um folheto do IKEA” – Antonio Prata

“O que acontece com a idade é sermos empurrados para o silêncio, para não fazer nada, para pensar que se fez tudo” – V.S Naipaul

“É uma coisa terrível ser-se escritor: prevê-se o que vai acontecer” – V.S Naipaul