O Huawei Nova poderá ser o melhor equipamento de gama média/alta em breve em Portugal


sdr

Hoje em dia, deixou de ser necessário gastar uma pequena fortuna para adquirir um smartphone com especificações capaz de fazer frente aos utilizadores mais intensivos. Marcas como a Xiaomi, a BQ ou a Huawei têm apresentado produtos que obrigaram à criação da chamada gama média/alta, já que carregam consigo especificações bastante boas a um preço muito competitivo.

Na conferência que decorreu esta quarta-feira, em Berlim, a Huawei demonstrou isso uma vez mais. A marca chinesa tem já por hábito praticar preços mais baixos do que os seus concorrentes – o P9, topo-de-gama da marca, custa em média menos 120 euros do que os seus rivais directos -, e a apresentação do Nova só alerta todos aqueles que desenvolvem produtos a pensar na gama média/alta, já que terão aqui um sério concorrente.

Mais do que um processador Qualcomm Snapdragon ou os 3 GBs de memória RAM, com o Nova, a Huawei leva para este tipo de mercado uma série de funcionalidades algo incomuns em smartphones deste preço e que poderão resultar na sua escolha em alturas de indecisão por parte dos compradores. Nós fizemos uma lista com alguns deles.

1 – Alumínio do princípio ao fim

A Huawei já tem habituado os seus clientes a uma qualidade de construção acima da média na apresentação dos últimos equipamentos, como foi o caso do P9, e ontem não foi exceção. Apesar de ter um preço de 400 euros, o Nova é revestido de alumínio “a cabeça aos pés” e oferece um conforto muito maior ao utilizador, quer ao segurar o equipamento quer na eventualidade de ele cair ao chão.

Por falar em cair ao chão, o vidro na parte frontal é de segunda geração 2,5D – isto significa que, para além de ser muito mais resistente, é também curvo nas bordas. Esta é uma particularidade que acrescenta muito à estética do produto e lembra muito a parte frontal de um iPhone 6S, o que não é uma comparação de todo má para o Huawei Nova.

cof

2 – Fast Charging

Esta é já uma funcionalidade que, tal como o Bluetooth ou o sensor GPS, devia ser padrão em todos os smartphones, mas infelizmente apenas existe nos topo-de-gama… até agora. O fast charging foi também incluído no Nova para alimentar de forma muito mais célere uma bateria com mais de 3000 mAh, muito bem-vindo para quem é obrigado a carregar o smartphone mais do que uma vez por dia mas tem de estar constantemente “on the go”. Juntando isto a um sistema de poupança de bateria optimizado, temos aqui um produto para muitas horas de Pokemón Go.

3 – Vídeo com resolução 4K

Este ponto é o terceiro da lista mas deveria na verdade ser o primeiro. Estando a seguir a conferência e a ver aquilo com que o Nova vinha recheado, foi uma grande surpresa quando foi anunciada a gravação em resolução 4K. Este é não só um grande ponto positivo para o Huawei Nova e que o coloca a milhas de distância dos concorrentes directos no vídeo (pelo menos no papel) como é também uma novidade vinda da Huawei, já que o Huawei P9 suporta apenas gravação em Full HD. Estamos muito curiosos para saber como se porta este smartphone tanto na gravação como na reprodução do conteúdo em 4K.

sdr

4 – Sensor biométrico

Isto não é propriamente algo que vá influenciar assim tanto no momento da escolha, mas é um facto que até agora, falando em lançamentos em 2016, apenas smartphones como o S7 Edge, o iPhone 6S, ou o Huawei P9 – todos com preços acima dos 500 euros – contavam com um sensor biométrico na sua estrutura, e o Nova veio mudar um pouco o jogo a par com o Honor 8, também da Huawei.

O sensor biométrico foi também melhorado e conta com mais funcionalidades do que simplesmente desbloquear o equipamento. É possível fazer scroll de fotografias, atender chamadas ou tirar uma foto com este “botão”, o que lhe dá sempre mais utilidade.

dav

5 – USB Tipo-C

A Huawei incluiu não só o carregamento rápido com Nova como também a ligação USB Tipo-C, tal como fez no Huawei P9, mostrando que está sempre do lado da inovação. Não há dúvidas de que este é um tipo de ligação que veio para ficar e que se vai tornar standard dentro de poucos anos. E enquanto muitas outras fabricantes de topos-de-gama teimam em manter o micro USB, a tecnológica chinesa aposta na mais recente tecnologia mesmo num equipamento de média gama. Nada mau.