Boeing tenciona chegar a Marte primeiro que a SpaceX


 

No passado, a Boeing ajudou os Estados Unidos a chegar primeiro que a União Soviética à Lua. Agora, a empresa está a desafiar a SpaceX na corrida a Marte. O director executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, disse que o primeiro humano a pisar o solo marciano será transportado com a ajuda de um foguetão da sua empresa, ou seja, sem a intervenção da equipa de Elon Musk.

Pisar o planeta vermelho é um desejo antigo da Humanidade, que agora parece estar a ganhar forma. A SpaceX e a Boeing, duas empresas privadas norte-americanas, não são as únicas entidades interessadas em Marte. Também a NASA tem planos para levar o Homem ao planeta vizinho, mas as intenções da agência espacial norte-americana não se prendem tanto com questões comerciais, sendo a principal preocupação o reforço da supremacia dos Estados Unidos, país que em 1967 foi pioneiro ao pisar a Lua.

Isto faz ainda mais sentido se tivermos em conta que há outros países a investir na exploração de Marte. A China quer colocar um robô a explorar a superfície marciana em 2020, tendo já sido ultrapassado pela Índia, que em Setembro de 2014 tornou-se o primeiro país asiático a alcançar Marte com uma sonda. A agência espacial europeia (ESA) e a russa (Roscosmos), assim como a NASA, também já realizaram missões no planeta vermelho. Os cientistas da NASA, aliás, encontraram evidências de água líquida.

Para já, nem a China nem nenhum país europeu anunciou intenções de colonizar Marte, o objectivo primário da SpaceX e da Boeing e um dos objectivos da NASA. O CEO da Boeing não revelou concretamente como pretende bater a SpaceX, podendo a sua declaração servir como forma de descrédito ao ambicioso plano apresentado por Elon Musk.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.