Em tour com os First Breath After Coma (V)


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Os portugueses First Breath After Coma estão em digressão pela Alemanha e escolheram o Shifter para relatar as suas experiências. Acompanha o seu diário de viagem, na primeira pessoa. Lê aqui o capítulo anterior.

Dia 6

Bom dia, ressaca! Estamos prontos para o pequeno-almoço, mítico pretzel! Hoje, parece que nem fomos à cama, estamos sentados exatamente nos mesmos bancos onde passámos parte da noite. Que belo pequeno-almoço, entre as garrafas e cigarros da noite anterior. Ainda bem que não tomámos banho, temos o cheiro do bar entranhado em nós.

Depois de comer, lavar os dentes, é hora de agradecer e de nos despedirmos dos novos amigos de Hannover e arrancar para o próximo destino – Krefeld.

Deparamo-nos que havia mundo fora do Glocksee, ambiente perfeito para aquela manhã, céu cinzento e tudo em redor húmido da chuva que caía. São só 291 Km…

Pelo caminho é um clássico, enquanto uns dormem os outros têm de ir a conduzir, ou apenas isolarmo-nos da banda sonora dos últimos dias, pôr uns headphones e apreciar as paisagens que vão passando entre os nossos olhos e pensamentos. Fazem-nos sentir saudade.

Como não conseguimos passar muito tempo sem comer, já devem ter notado, parámos mais uma vez numa estação de serviço para atestar a nossa bela companheira e aproveitar para almoçar. Ah e pagar 70 cêntimos para ir lavar as “mãos”.
Mais meia hora de caminho e estávamos em Krefeld, conseguimos chegar antes de toda a malta do bar. O rock n´roll já não é o que era.

Mas à hora marcada aparece o Matt para nos abrir a porta e lá vamos nós para mais uma maratona.

Depois de tudo montado, afinado, já não faltava muito para a hora do concerto, pedimos uns quantos whiskey e dois cházinhos para as meninas.

Com uma breve apresentação por parte do nosso amigo Markus, agora, é hora de ir para o palco e mostrar aquilo de que os Portugueses são capazes. It´s showtime baby!

Foi óptimo ter tido os inúmeros aplausos mal acabámos o set, pedindo que voltássemos para tocar mais uma. Agradecemos imenso a todos os que estiveram presentes, apesar de estar um frio de rachar, sentimo-nos bastante aquecidos em Krefeld.

Bem, vamos pedir mais um whiskey e vender uns CD’s…

Entretanto, é hora de arrumar o material e encaixá-lo na carrinha tal como o clássico tétris.

Após tudo arrumado, é hora de ir beber uma ‘Dark beer’, bebida regional, num típico bar Alemão, repleto de graffitis e belíssimas pinturas. Viemos beber umas quantas com os nossos novos amigos de Krefeld, a malta do bar Kulturrampefoi impecável. Ainda nos aguentámos um par de horas, ensinámos os Alemães a jogar matrecos e continuámos a conversar. Após umas cervejas, fomos para a casa da Tee, onde íamos dormir. Quando lá chegámos, maravilhou-nos com um belíssimo piano e um banjo. Tocámos até ser preciso o vizinho de cima vir à porta e pedir para fazermos menos barulho. Ainda deu tempo para atrofiar uns quantos ouvidos.

Este foi o nosso sexto dia de tour, temos vindo a fazer novas amizades e fica a vontade de voltar.

Muito obrigado, Krefeld, pela hospitalidade.

E boa noite para Portugal, para breve teremos datas por esse lindo país! zzZZZZzzzzzzZZZZZzzz

tourfbac5_01

tourfbac5_02

tourfbac5_03

tourfbac5_04

tourfbac5_05

tourfbac5_06

tourfbac5_07

tourfbac5_08

tourfbac5_09

tourfbac5_10

tourfbac5_11

tourfbac5_12

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.