Em tour com os First Breath After Coma (VIII)


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Os portugueses First Breath After Coma estão em digressão pela Alemanha e escolheram o Shifter para relatar as suas experiências. Depois de dez dias em viagem, este é o último diário da banda. Lê aqui o capítulo anterior.

Dias 9 e 10

Este foi sem dúvida o dia mais agressivo. Saímos de Kassel às duas da tarde e chegámos a Boyanne às 7 da manhã. Corremos Alemanha, Bélgica e França, com paragens para xixi, toques na bola, cigarros e muitos cafés. Com 6 gajos numa carrinha há momentos para tudo, rir, chorar, gritar, dormir e momentos de insanidade mental pura como podem comprovar nas fotos.

Chegados a Boyanne, uma cidade encostada à fronteira de Espanha, estávamos completamente de rastos e para ajudar à festa a senhora do hotel conseguiu complicar tudo, só falava francês e tentava explicar que não podíamos fazer o check-in às 7 da manhã porque a reserva já tinha sido anulada por termos chegado tão tarde. Entretanto uma das senhoras de limpeza era portuguesa e veio ajudar-nos na tradução. Lá conseguimos resolver a situação, tomámos um grande pequeno almoço e fomos dormir.

Aquelas 6 horinhas completamente esticados, que bem que souberam. Depois de tanta comida de merda durante as viagens, foi unânime escolher algo saudável e rapidamente encontrámos na bonita vila um restaurante caseiro com fantásticas sopas e saladas.

De volta à estrada, fomos surpreendidos com meia dúzia de polícias e militares que nos mandaram parar junto à fronteira de França-Espanha. Foi tempo para mais um cigarro e com sorte não nos fizeram tirar o material todo da carrinha para revistar.

Os turnos passaram, os donos foram interrompidos, chega-se ao momento em que nada se faz, ninguém tem sono e começa mais uma vez a insanidade mental.

Houve quem dançasse em tronco nu, houve quem brincasse com luzes ao ritmo da música, uma espécie de party bus como o que vimos em Paris a percorrer “Champs Elysees”.

Foi uma junção de nada dizer com conversas interessantes, silêncio, parceira e uma enorme vontade de sair da carrinha! Finalmente chegámos ao Porto para deixar o querido amigo Pedro nos seus aposentos, é sempre fantástico trabalhar com ele.

Rapidamente e com todo o hábito fizemos o clássico Porto-Leiria, e num piscar de olhos estávamos em casa, “home sweet home”.

É hora de beijinhos e abraços, um enorme duche e 14 horas de sono!

tourfbac8_01

tourfbac8_02

tourfbac8_03

tourfbac8_04

tourfbac8_05

tourfbac8_06

tourfbac8_07

tourfbac8_08

tourfbac8_09

tourfbac8_10

tourfbac8_11

tourfbac8_12

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.