Esta quinta, vai acontecer um autêntico confronto cultural em Lisboa


Lisboa prepara-se para receber, no próximo dia 20 de outubro, a primeira edição portuguesa do Red Bull Music Academy Culture Clash – um concerto com características únicas que promete ser o combate sonoro do ano. O Coliseu dos Recreios vai ser transformado para receber quatro crews com estilos bem diferentes. Além dos quatro palcos, a principal marca do ADN da competição reside no poder do público, a quem cabe a decisão de quem será o vencedor.

Com o lema “apoia a tua crew, quem manda aqui és tu”, está agendada para o próximo dia 20 de Outubro a estreia em Portugal do Red Bull Music Academy Culture Clash. O Coliseu dos Recreios, em Lisboa, vai transformar-se para receber um concerto com características únicas onde o público tem um papel central na eleição dos vencedores da noite.

Como se trata de uma competição, há regras muito específicas que as quatro crews participantes (Club Atlas, Moullinex Live Machine, Matilha e Batida + Kambas e o Próprio Kota!) aceitaram respeitar. Os hosts de serviço – a dupla Gisela João e Alex D’Alva Teixeira – vão estar atentos ao cumprimento do regulamento: o concerto é composto por quatro rounds; só são aceites dubplate specials exclusivos para o evento; no round final as crews podem chamar ao palco, os seus convidados secretos; os replays são proibidos; a vitória nos rounds tem por base a reação do público e o correspondente de decibéis, em caso de empate o público é uma vez mais chamado a decidir; é proibido utilizar material inflamável ou de pirotécnica; os rounds são controlados pelos hosts, cujas decisões são soberanas; entre as quatro crews haverá apenas uma vencedora.

O concerto é composto por quatro rounds, sendo o primeiro de teste (sem lugar para votação), o segundo de selecção (DJs tocam qualquer estilo), o terceiro disputa-se no terreno do adversário (as crews tocam estilos dos seus oponentes) e por último, o round final conta com convidados especiais em palco (e tem pontos a dobrar).

rbmacultureclashlisboa_02

As crews

  1. Club Atlas, é liderada por Branko e conta com parte da família Buraka Som Sistema, Riot, Kalaf e Pongolove que dá a voz ao hit “Kalemba (Wegue Wegue)” e também com o homem da frente dos ex-Da Weasel, Carlão e Fred Ferreira, responsável pela percussão da Banda do Mar.
  2. Moullinex Live Machine, os representantes da etiqueta eletrónica Discotexas: Moullinex e Xinobi juntam-se a Da Chick, dona daquela voz carregada de funk, e a referência do rock The Legendary Tigerman.
  3. Matilha, junta o finalista do Red Bull Thre3Style 2015, DJ Ride, que conta com as rimas do habitual navegador dos charts nacionais, Jimmy P e com os MGDRV, anteriormente Macacos do Chinês e que recentemente se encontraram com DJ Ride no LP “From Scratch”.
  4. Batida + Kambas e o Próprio Kota! Resulta da ligação íntima entre Portugal e Angola. Batida conduz esta crew e traz os anos 60 e 70 da música angolana, acrescentando-lhe sonoridades atuais; DJ Satélite, com reconhecidos sets de afro-house e kuduro a rolar no Boiler Room; Karlon, o fundador dos Nigga Poison; os detentores dos melhores “moves” André Cabral, Gonçalo Cabral e Bernardino Tavares não vão deixar ninguém parado; e o ícone e promotor desta relação estreita com a música angolana, Bonga.

Consulta as regras do Red Bull Music Academy Culture Clash aqui. Mais informações no site oficial.