O dia em que o Facebook “reagiu” com emojis a uma guerra


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

O tweet da jornalista freelancer Harriet Salem, que já colaborou com a VICE News e o The Guardian, não dá aso a outras interpretações: “Século XXI. O local onde fazemos transmitimos guerra em directo enquanto o Facebook nos pede para reagirmos com um emoji.”

Harriet referia-se à guerra de Mosul, que hoje foi iniciada no Iraque, quando as forças iraquianas, apoiadas por aviões de combate da coligação liderada pelos Estados Unidos e por soldados curdos (Curdistão), se lançaram a recuperar a cidade de Mosul ao auto-proclamado Estado Islâmico.

Alguns órgãos de comunicação social, como a Al-Jazeera English e o britânico Channel 4, entraram em directo nas suas páginas de Facebook, partilhando uma transmissão em directo de um grupo de media curdo, o Rudaw. Os internautas puderam assistir à guerra naquela que é a maior rede social do mundo e, como qualquer outro Live no Facebook, “reagir” com bonequinhos felizes, zangados, tristes ou surpresos.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.