Pink Floyd reúnem-se cinco anos depois em nome da Palestina


Em Setembro, uma frota de 13 mulheres, incluindo a Nobel da Paz Mairead Maguire, partiu de Barcelona rumo à Palestina. Levava ajuda humanitária aos palestinianos e a vontade de romper o bloqueio israelita à Faixa de Gaza, que dura há mais de uma década. Esta semana, já perto do destino, o barco foi intersectado pelas autoridades israelitas e as activistas ficarão detidas.

Roger Waters assistiu a este desfecho da iniciativa “Mulheres Rumo a Gaza”, apoiada pela Coligação Internacional da Flotilha da Liberdade, e decidiu reunir os Pink Floyd em solidariedade.

pinkfloydreuniaopalestina_02

Através do Facebook, os membros ainda vivos da banda – Roger Waters, David Gilmour e Nick Mason – dizem estar “unidos no apoio à flotilha Mulheres Rumo a Gaza e condenam a sua detenção e prisão ilegal em águas internacionais por parte das forças de defesa de Israel”.

Esta reunião dos Pink Floyd não significa necessariamente um concerto, mas o jornal IBTimes sugere que a banda britânica vai mesmo voltar ao palco para uma actuação única em defesa das “Mulheres Rumo a Gaza”. A última vez que Roger Waters, David Gilmour e Nick Mason tocaram juntos foi em 2011, na O2 Arena, em Londres. Ou seja, há cerca de cinco anos.

Antes do incidente da flotilha feminina com as autoridades israelitas, Roger Waters já tinha partilhado a sua preocupação com a situação da Faixa de Gaza, fruto do conflicto israelo-palestino. No vídeo que partilhou no Facebook, o baixista dos Pink Floyd refere a poderosa mensagens que os adeptos do Celtic levantaram num jogo de futebol.