E foi mesmo a União que fez a Força tornar-se Força Suprema


força suprema e a união fez a força
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Marcámos a entrevista com os Força Suprema para as 16 horas no Mercado Time Out mas o entusiasmo fez com que meia hora mais cedo já andássemos a rondar o local. Enquanto isso, passávamos em revista todos os tópicos que queríamos abordar na conversa e começávamos a partilhar presságios e expectativas para uma tarde/noite que se previa inesquecível.

A vontade de chegar à fala com um dos grupos mais proeminentes da cena hip hop em Portugal já era antiga e a conjugação de factores finalmente o proporcionou. A receptividade de todos os intervenientes foi uma das primeiras surpresas, com os interesses comuns a sobreporem-se a qualquer formalidade que pudesse abrandar a conversa. NGA e Don G foram os anfitriões que nos receberam nos bastidores como se nos conhecêssemos desde sempre.

“Durmo para sonhar e acordo para realizar”

Sem ser preciso fazer perguntas, começaram a surgir as primeiras respostas. Enquanto isso, no palco se preparavam os testes de som. A conversa fluiu tão naturalmente que o microfone nem estava ligado. Don G passou dos props à chegada para um monologo entusiasmado em que partilhou a sua visão. “Ando com os binóculos no bolso” foi umas das expressões que mais marcou esta conversa sobre a importância da determinação na conquista de objectivos – uma das mensagens transversais ao repertório do grupo da Linha de Sintra.

Entre gargalhadas e histórias caricatas contadas, Don G ia soltando frases que pareciam poder fazer parte de uma música de Força Suprema. É, aliás, essa genuinidade um dos factores que os distingue e que faz com que possam estar prestes a celebrar 20 anos. Segundo Don G, o segredo é escolher pouco “porque quem decide muito erra muito”, acreditar muito e fazer o que for preciso “nem que tenhas de ir dar a volta à rotunda”.

A União fez a Força

Depois de feitos os testes de som e mais um par de entrevistas, recolhemos com Don G e NGA até aos bastidores para uma entrevista mais pausada. O entusiasmo era notório à medida que se aproximava a hora do concerto – afinal de contas, NGA e companhia tinha programado para esta noite a primeira apresentação em Portugal do primeiro álbum em grupo.

Depois de uma passagem por Angola, marcada por grande receptividade, o grupo da Linha de Sintra não se deixa deslumbrar e explica as diferenças pela demografia – a maior percentagem de jovens e a menor percentagens de ídolos populares é atirada como explicação mais plausível para o fenómeno e o enquadramento da realidade nacional. Foi a meio da conversa que chegaram Masta e Prodígio, imediatamente introduzidos na conversa pelos restantes membros da família. Prodígio, o membro mais novo do grupo, foi quem deixou uma das notas finais, ilustrando com uma comparação simples ilustra o mindset destes trabalhadores do rap: “se fosse médico tinha que estar todos os dias na clínica, se quero ser rapper vou todos os dias para a booth”.

O concerto

O concerto de apresentação do álbum A União Fez a Força, marcado para 25 de Novembro, foi um pretexto para reunir a família e fazer uma boa festa. Antes de os quatro subirem ao palco, deram vez aos mais novos do movimento para poderem mostrar algum do seu trabalho e começarem a aquecer o ambiente – Roger & Izzy, Yound D, Resis e Dope Boyz (Dezzy e Monsta) foram os destacados para a primeira metade da noite.

O momento mais esperado chegou já perto da meia noite, para o culminar desta celebração de toda a família FS. O concerto foi marcado pelo ambiente próximo, palco cheio de gente e uma vibe contagiante, de fiel sintonia com o seu público. Alternando entre temas do novo álbum e faixas já clássicas do seu repertório, todas foram cantadas duma ponta à outra pela plateia em permanente união com o grupo Força Suprema.

O disco apresentado foi lançado no passado dia 18 de Novembro pela Sony Music. Está disponível num CD de 13 faixas e nas plataformas digitais de streaming. O disco tinha já sido previamente apresentado através de 12 videoclipes partilhados no YouTube, estando agora reunidos num DVD que acompanha o CD.

Foto e vídeo de: Marco Brandão/Shifter

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!