Cidade Gráfica: uma viagem pelos letreiros antigos de Lisboa

Uma explosão de luz, cores e história que podes visitar até dia 18 de Março.

Viajar no tempo, nas cores e nas formas. É isto que se faz no número 20 da Rua Nova da Trindade. Cidade Gráfica – Letreiros e Reclames de Lisboa no Século XX é o nome da exposição que nos convida a dar um passeio pela Lisboa antiga de letreiros nas fachadas. Aqui vais encontrar mais de 80 peças, todas elas completamente diferentes. Do vidro, às portas e aos néons, há mesmo de tudo.

A exposição tem dois pisos: no primeiro estão expostos os letreiros em vidro e metal e as chamadas portas guarda vento, onde pode ver-se também a recriação de uma antiga fachada de uma loja, pintada numa das paredes, e algumas fotografias a preto e branco que documentam a existência destes materiais. No segundo piso entras no mundo dos néons, cores e tipos de letra, de várias cores e tamanhos – aproveita para convidar aquele teu amigo que nunca quer ir a lado nenhum mas que adora design e artes. Não vai resistir, é uma garantia. A grande surpresa fica para o final, para acabar em grande, com o enorme e lendário letreiro do hotel Ritz.
A exposição tem como base o projecto Letreiro Galerias, uma iniciativa de Paulo Barata e Rita Múrias. Este casal de designers dedica-se a procurar alguns dos letreiros lisboetas já desativados que andavam por aí perdidos e a restaurá-los. Nós fomos visitar e trazemos-te a nossa visão. Consoante a tua idade vais – ou não – reconhecer alguns dos letreiros expostos. Entre eles há o icónico da pastelaria Tarantela no Largo de Dona Estefânia, do famoso Rei das Fardas, do Machado Oculista ou da sapataria Elite. 

Esta Cidade Gráfica está inserida na programação do MUDE – Fora de Portas, decorre até dia 18 de Março e é gratuita.