Nova tecnologia da Google pode poupar-nos muitos dados móveis

Para já, o RAISR só está disponível no Google+, mas a empresa quer lançar a tecnologia de forma mais ampla.

A Google desenvolveu uma tecnologia de compressão de imagens chamada RAISR (Rapid and Accurate Super Image Resolution), pensada para poupar os teus planos de dados sem sacrificar a qualidade das fotos. O RAISR está activo no serviço Google+.

O Google+ pode ter falhado enquanto rede social estilo Facebook, mas a plataforma manteve-se popular entre fotógrafos e outros grupos de entusiastas. É possível partilhar imagens de alta resolução e qualidade no Google+, o que pode levar a um maior consumo de dados por parte de quem navega no serviço. A solução é comprimir as imagens. O Facebook faz esta compressão no momento do carregamento dos ficheiros e dela resultam perdas de qualidade substanciais, que ainda assim podem ser disfarçadas se partilhados fotos com resolução alta.

É por isso que no Facebook devemos fazer o upload de fotos com pelo menos 2048 pixels de altura e/ou largura, a resolução máxima suportada pela rede social. Quando vistas no ecrã de um telemóvel ou no monitor de um computador, as falhas que resultaram da compressão conseguem passar despercebidas dado o tamanho da imagem.

No Google+, as fotos podem ser partilhadas com resolução superior a 2048 pixels e a Google vai passar a usar o RAISR para mostrar imagens grandes nos telemóveis dos utilizadores, sacrificando não a qualidade mas o peso do ficheiro. Através de aprendizagem automática (“machine learning” em inglês), o RAISR pega numa versão da imagem com 1/4 do tamanho original, expande-a para a dimensão inicial e aplica-lhe um filtro capaz de enganar os nossos olhos, fazendo-nos acreditar que a versão de baixa resolução está a par com a variante original.

A Google refere que o RAISR pode resultar em poupanças até 75% no consumo de dados. A tecnologia está disponível para utilizadores do Google+ através da aplicação Android. No blogue, onde anuncia a novidade, a empresa refere que o RAISR já está a ser aplicado a mais de mil milhões de imagens por semana e acrescenta que espera “lançar esta tecnologia de forma mais ampla”.

Quem segue a série Silicon Valley não consegue pensar no RAISR sem se lembrar do Pied Piper, uma startup fictícia que usa inteligência artificial (e aprendizagem automática) para optimizar imagens e outros ficheiros. Em teoria, o algoritmo do Pied Piper torna os arquivos tão pequenos que o seu tamanho passa a ser insignificante.