Se nenhuma agência te quer contratar, experimenta apresentar-te como cliente

Foi pelo menos o que fez um jovem director de arte dinamarquês à procura de trabalho na Suécia.

E-mails com currículos chegam diariamente a agências de publicidade. São de recém-licenciados ou jovens-mestres à procura de uma oportunidade de trabalho. Muitos ficam sem resposta, não só porque do lado das agências responder a todos os CVs pode ser humanamente desafiante, como porque muitas candidaturas pecam pela indiferenciação entre si.

August Laustsen, um jovem director de arte dinamarquês à procura de uma agência para trabalhar na Suécia, não estava a conseguir resultados. Conforme conta a AdFreak, contactou todas as grandes agências em Estocolmo, mas nenhuma respondeu. Foi então que August decidiu tentar outro método: em vez de se apresentar como candidato, fazer-se passar por cliente.

É que as agências podem não ligar a quem lhes envia um currículo, mas dificilmente ignoram um potencial novo cliente. August Laustsen enviou este e-mail a algumas agências:

Hi [X],

My name is August and I’m the marketing director of EMERIH. We’re a creative consulting company with our main office in Copenhagen. After big success in Denmark, we’re now planning on expanding to the Swedish market and are looking for a new creative agency in Sweden. We do work for a wide range of clients from small non-profit organizations to giants like Coca-Cola. We really admire the work you’ve done for [X] and would like to talk about the possibilities of a future cooperation.

Since a large part of our business model is based on creativity, it’s important that the creative department have a look at our website before we take it any further. You’ll find it here: emerih.co

Best regards,

August Laustsen
Marketing Director

EMERIH é o nome de uma empresa fictícia, com um site neste endereço: emerih.co, e é também a expressão “HIRE ME” escrita ao contrário. “Os Directores Criativos nem sempre têm tempo para um novo talento, mas têm sempre tempo para novos clientes. Então decidi tornar-me um”, lê-se logo na primeira página.

“Sei que os Directores Criativos recebem montes de e-mails de talentos jovens, mas não têm sempre tempo para responder. Pelo que para ter a vossa atenção e a possibilidade de mostrar o meu portfólio, fingi ser uma pessoa com quem todos os Directores Criativos desejam falar: um novo cliente”, explica mais em baixo, na mesma página. “Neste site, encontram tudo o que precisam de saber sobre mim. De casos a clientes, sem esquecer a minha filosofia de trabalho. Dêem uma olhada e vamos marcar uma reunião.”

Ao AdFreak, August disse que tem recebido feedback “muito positivo” relativamente a esta partida. “Quando se procura um emprego noutro país, é impossível mexermo-nos se não temos qualquer conexão. Nenhum dos Directores Criativos me conhecia ou conhecia o trabalho que já tinha feito, pelo que precisava de dar um passo maior para obter a sua atenção.”