Exposição de Almada Negreiros inaugurada na Gulbenkian

Exposição está patente até Junho.

Exposição de Almada Negreiros
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

“José de Almada Negreiros: Uma Maneira De Ser Moderno”, exposição dedicada ao artista português, abriu no final da última semana na Gulbenkian, onde estará aberta ao público por três meses. No primeiro fim-de-semana recebeu mais de 4 500 visitas – o domingo foi o dia de maior influência, dada a entrada gratuita (por ser o primeiro domingo do mês).

Autor profuso e diversificado, Almada Negreiros (1893-1970) pôs em prática uma concepção heteróclita do artista moderno, desdobrado por múltiplos ofícios. Toda a arte, nas suas várias formas (da pintura ao romance), seria, para Almada, uma parte do “espectáculo” que o artista teria por missão apresentar perante o público, fazendo de cada obra, gesto ou atitude um meio de dar a ver uma ideia total de modernidade.

A exposição apresenta um conjunto de obras que reflecte a condição complexa, experimental, contraditória e híbrida da modernidade. A pintura e o desenho mostram-se em estreita ligação com os trabalhos que fez em colaboração com arquitectos, escritores, editores, músicos, cenógrafos ou encenadores. Esta escolha dá também visibilidade à presença marcante do cinema e à persistência da narrativa gráfica ao longo da sua obra. Juntam-se ainda obras e estudos inéditos que darão a conhecer diferentes facetas do processo de trabalho artístico de Almada.

“José de Almada Negreiros: Uma Maneira De Ser Moderno” tem curadoria da historiadora de arte e investigadora Mariana Pinto dos Santos, com Ana Vasconcelos, conservadora do Museu Calouste Gulbenkian, e é acompanhada de um programa educativo e cultural que se alarga a outras instituições, como a Cinemateca Portuguesa, e se estende até 5 de Junho. A exposição organiza-se em sete núcleos na Galeria Principal e um outro na Galeria do Piso Inferior que convidam a um percurso por temas-chave na obra do artista. São núcleos fluidos e comunicantes que, se ajudam a estabelecer uma ordem visual, não têm porém a pretensão de a conter.

A exposição de Almada Negreiros não é a única mostra de pintura de autores emblemáticos actualmente aberta em Lisboa. “Amadeo de Souza Cardoso / Porto-Lisboa /2016-1916” pode ser visitada no Museu Nacional de Arte Contemporânea, no Chiado.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!