NBC oferece 30 milhões de dólares por acções da Euronews

O nome do canal deverá mudar para Euronews NBC.

A NBC planeia um investimento em acções da Euronews para reforçar a presença na cobertura noticiosa internacional. A aquisição faz parte da reestruturação da empresa norte-americana.

Andrew Lack, presidente do conselho de administração da empresa, anunciou que a NBC vai oferecer 30 milhões de dólares (cerca de 28 milhões de euros) pelo lugar de segundo maior acionista da Euronews. O nome deverá mudar para Euronews NBC.

A participação da empresa norte-americana deverá ser de 15% a 30%, de acordo com a agência Reuters. Alguns órgãos de comunicação social internacionais estão a reportar uma compra de 25% do capital.

Segundo a Associated Press, os telespectadores americanos vão beneficiar de uma melhor cobertura de assuntos internacionais. A parceria permite aumentar a competitividade em relação à CNN, uma vez que o acordo faria com que a NBC chegasse a 164 países da Europa, África e Médio Oriente. Apesar da notoriedade da Euronews, Lack pretende “aumentar a profundidade” e “investir no jornalismo europeu”, de acordo com uma nota interna revelada pelo The New York Times.

Desta forma, deverá ser criada a NBC News International para gerir a relação entre as duas empresas. Deborah Turness seria a dirigente responsável pela gestão da nova entidade. A reforma também passaria pela eleição de Noah Oppenheim como novo director da NBC News (uma das empresas coordenadas pela Comcast Corp) em substituição de Turness.

A promoção de Oppenheim deve-se ao bom desempenho na produção do programa Today da NBC que voltou a competir com Good Morning America da ABC. “Um dos sinais de uma redação saudável e próspera é a possibilidade de encontrar um sucessor digno dentro da equipa”, afirmou Lack.

A Euronews vai revelar a apreciação final do negócio até ao final do mês de Março ou início do mês de Abril. O canal foi propriedade de vários canais públicos europeus, até à entrada de capital privado em 2015. Actualmente, o bilionário egípcio Naguirb Sawiris detém 53% do capital.

Texto de: Filipe Santiago Lopes
Editado por: Mário Rui André