O mini-documentário que te vai fazer agarrar à vida e levantar do sofá

'What A Ride' mostra-nos mais que uma simples paixão por carros vintage. Mostra-nos de forma muito sincera o que move uma paixão e até onde ela pode ir.

Love is passion, obsession, someone you can’t live without. (…) There’s no sense living your life without this. To make the journey and not fall deeply in love, well, you haven’t lived a life at all. But you have to try, cause if you haven’t tried, you haven’t lived.

Podem estar a reconhecer esta quote do Meet Joe Black ou do interlúdio do Love Let Me Go dos More Than Life (se forem lindos, vão agora pesquisar). Claro, é normal que estejam a pensar “que lamechice logo a abrir”, mas mais umas linhas e vão perceber porquê.

Depois de nos amolecer o coração e hipnotizar a mente durante vários minutos com Totally Free, um documentário sobre homens graúdos e a sua paixão por rollerskating, Daniel Soares volta aos mini-documentários com outra paixão relacionada com quatro rodas.

What A Ride mostra-nos mais que uma simples paixão por carros vintage. No mais recente filme do publicitário/realizador português, percebemos o que move uma paixão e até onde ela pode ir. Segundo o Daniel, ambos os documentários têm a mesma base: captar um grupo de apaixonados que seguem até às últimas consequências algo fora de comum. “Estas pessoas encontraram algo (…) que outras nunca encontrarão ao longo de todas as suas vidas. Algo que lhes faz o sangue correr. Uma paixão que dá sentido às suas vidas.”

Durante 7 minutos somos conduzidos em curva e contra-curva por um storytelling extremamente bem contado, pincelado por planos incríveis de carros vintage nas estradas da west coast americana e o borbulhar do motor como só alguns carros têm. Mais do que um bonito retrato de um grupo de amigos com uma paixão comum por carros rápidos, What A Ride é sobre amor. Mas é essencialmente sobre a história de um eterno apaixonado por velocidade: Jordan.

(Esta é a parte que tem spoilers. Se ainda não viste o filme e não curtes spoilers, avança só depois disto. Não digas que não avisámos!)

Se olharmos para os olhos de Jordan quando ele fala sobre o seu Porsche 911S vemos algo puro, genuíno. “Conheci o Jordan através de um amigo que participa nestes rallies de carros vintage. Um dia decidimos fazer um filme. Ele entrou como produtor e eu como director. Ele introduziu me ao Jordan, e foi por isso que eu tenho todo este footage e entrevistas. Passei vários dias com ele antes do rally, na preparação e convivi bastante com ele. O Jordan era uma pessoa muito especial.”

Soberbamente enternecidos pela personalidade de Jordan, somos abruptamente acordados daquele limbo entre sonho e a realidade. Enquanto filmavam aquele que seria um documentário sobre vintage cars, Daniel e a sua crew são confrontados com uma notícia que bota travão a fundo e ainda assim nos atropela a todos. Durante um vintage car rally, Jordan tem um acidente fatal.

Para o Daniel “(…) quando o Jordan teve o acidente foi um choque. Não só a história mudou, como o filme foi cancelado. Mas meses depois pensei que tinha algo de muito valor ali num hard-drive: as ultimas palavras e imagens de uma pessoa que vivia uma paixão até às ultimas consequências e que queria imortalizar essa pessoa e a sua forma de viver. Contactei a família, e meses depois responderam. Comprei um voo pra São Francisco. Eles entenderam que eu tinha boas intenções e filmámos a segunda parte do filme.” Esta é a beleza de um documentário. “(…) estás ali a captar tudo e a tentar guiar, mas no fundo, estás só a seguir um script que o destino está a escrever.”

De repente, What A Ride deixou de ser uma história sobre apaixonados de carros para passar a ser sobre apaixonados pela vida. E é nesse exacto ponto que o Jordan nos deixa para acelerar eternamente ao volante do seu Porsche.

“You can sit on you couch and be safe or you can live.”. A escolha é vossa.