Começa hoje a 1ª edição da Bienal de Arte Contemporânea BoCA

Lisboa e Porto vão receber eventos artísticos até 30 de Abril.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A programação conta com 15 espetáculos em estreia mundial. Das artes visuais e performativas à música, cerca de 40 artistas portugueses e estrangeiros mostram o seu trabalho até dia 30 de Abril entre Lisboa e o Porto.

Esta é a primeira edição da BoCA – Bienal de Arte Contemporânea, que começa hoje com direcção artística de John Romão, encenador, actor e programador que tem desenvolvido um trabalho no campo do teatro contemporâneo e nos cruzamentos disciplinares.

Hoje às 19h30 a dupla de artistas portugueses Von Calhau tem espectáculo marcado no Teatro da Politécnica, em Lisboa, e Tianzhuo Chen & Aisla Devi & Asian Dope Boys actuam às 23h00, no LuxFrágil, também na capital.
Outro artista que inaugura hoje uma instalação, às 17h00, é Rodrigo García, no Museu Nacional de Arte Antiga, inspirada no tríptico de pintura de Bosch, “As tentações de Santo Antão”.
A instalação “Pinball Bosch – Venha jogar com Deus e o Demónio” é uma máquina de pinball/flippers que os visitantes podem experimentar.


Também hoje, começará, em Lisboa e no Porto, a intervenção no espaço público “Dead Drops”, uma rede anónima e offline, de arquivo e partilha de ficheiros digitais.
O público será convidado a guardar informação ou a encontrar arquivos numa pen USB, conectando o computador portátil às pens que serão coladas nas paredes de edifícios das duas cidades. Aqui podes consultar a localização das pens.

Salomé Lamas, Musa Paradisíaca (Portugal), François Chaignaud (França) e Tania Bruguera (Cuba/Estados Unidos) são os artistas residentes. Entre os outros artistas em destaque ao longo de mais de um mês de mostra estão: Vera Mantero, Gilles Delmas, Damien Jalet, Aram Bartholl, Marino Formenti, Ricardo Jacinto, Cecília Bengolea, Jan Martens, Hector Zamora, Ana Borralho e João Galante, e Mariana Tengner Barros.

Podes consultar a programação completa aqui.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!