A novidade do Facebook não são as Stories, é a nova câmara

A nova câmara do Facebook é a maior alteração à rede social desde o Facebook Live.

Quando as redes sociais surgiram há mais ou menos uma década, o texto era a base das publicações feitas pelos utilizadores. Depois os posts e tweets começaram a ter fotos e vídeos, à medida que mais pessoas iam tendo acesso a smartphones e estes ganhavam melhores câmaras. Contudo, e apesar de serviços como o Instagram ou o YouTube já existirem há anos, a verdadeira revolução do conteúdo visual na internet só se deu recentemente e o Snapchat foi o principal impulsionador.

O Snapchat mostrou que uma rede social pode ser centrada em redor da câmara e não de um teclado. Com o conceito de snaps e mais tarde de Stories, a geração mais nova encontrou na aplicação de Evan Spiegel uma forma mais divertida que o Facebook de partilhar com os amigos. Basta tirar uma foto ou gravar 10 segundos de vídeo e enviar. Podem personalizar os snaps com texto, desenhos coloridos, stickers e filtros animados; e mandá-los a algumas pessoas ou partilhá-los com todos os seguidores na sua Story durante 24 horas. Não há o receio de “todos verem” ou de “ficar para sempre”.

A informalidade do Snapchat relativamente ao Facebook (onde é exigido o nome real) e a possibilidade de aqui criar uma rede só com meia dúzia de amigos, sem pais ou avós à mistura, cativaram os mais novos para usar aquela app. Mas o Snapchat não ficou restrito à nova geração. Os millenials, que cresceram com o Facebook, também migraram para esta aplicação em registo quase vlog do seu dia-a-dia.

Em 2013, o Facebook tentou adquirir o Snapchat por 3 mil milhões de dólares. Esta oferta foi recusada e lançou o gigante azul numa aventura com paragens, por exemplo ,no falhado Slingshot. Só em 2016 é que a guerra ao Snapchat teve resultados. O Instagram Stories, um clone perfeito da mesma funcionalidade do Snapchat, conquistou ao longo do ano mais de 150 milhões de utilizadores diários – um número muito próximo do rival, 161 milhões de utilizadores diários no final de 2016.

Mas o Facebook não se ficou por aí: renovou o WhatsApp Status e criou o Messenger Day, redesenhando a câmara das duas aplicações de chat.

O último golpe foi dado com o lançamento das Facebook Stories. Os 1,86 mil milhões de utilizadores móveis da maior rede social do planeta não ganharam apenas um clone do Snapchat – a actualização reinventa a câmara do Facebook, atribuindo-lhe funcionalidades e características que, em 2017, esperamos encontrar numa câmara de uma rede social.

Na nota de imprensa, o Facebook confirma a ideia deste artigo: “a forma como as pessoas partilham está a mudar de forma significativa” e existem “duas tendências que se destacam”: está a mudar o tipo de conteúdo que postamos online e está a mudar a forma de como partilhamos com os outros. A empresa sugere que a nova câmara possa ser uma alternativa à caixa “No que estás a pensar?”, ferramenta que nos últimos 10 anos foi o centro da experiência no Facebook.

A nova câmara do Facebook é mesmo a principal novidade da rede social e, para além do Snapchat, também se nota a inspiração do Prisma. Permite tirar fotos e gravar vídeos, personalizando-os com uma série de máscaras, molduras ou efeitos especiais, incluindo filtros que dão um toque artístico às imagens. A câmara encontra-se acessível no canto superior esquerdo da aplicação iOS e Android do Facebook e permite três tipos de partilha:

  • no nosso perfil de Facebook. Podemos publicar fotos e vídeos para todos os nossos amigos ou seguidores, não sendo possível adicionar uma descrição de texto às mesmas. Essas publicações têm um design diferente das tradicionais partilhas através da caixa “No que estás a pensar?”.
  • na nossa Story. Aqui as imagens ficam disponíveis durante 24 horas para todos os nossos amigos. As Stories são uma alternativa ao News Feed, servem para partilhar e ver momentos fugazes que não queremos permanentes no perfil. Podemos adicionar uma foto ou vídeo à Story através do botão da câmara ou do ícone “Your Story” que aparece no topo no News Feed. Só podemos ver Stories de amigos. Por enquanto, esta funcionalidade é exclusiva a perfis pessoais e à lista de amigos, com as páginas e os seguidores a ficar de fora da experiência. 
  • através do Direct, uma réplica do Instagram Direct. Tal como as imagens partilhadas na Story, as enviadas em privado também estão acessíveis apenas durante 24 horas e podem ser vistas no máximo duas vezes pelos receptores.

A nova câmara do Facebook, juntamente com o Stories e o Direct, começou a ser testada no início deste ano na Irlanda. Foi lançada globalmente esta semana, provocando reacções diversas entre os utilizadores da rede social, cansados de ver Stories em todas as suas aplicações.

Dias depois do lançamento do Facebook Stories, nota para o facto de apenas 7 dos meus 1340 “amigos” no Facebook terem Stories publicadas, um sinal claro de que o Instagram continua a ser a plataforma preferida para este tipo de partilha.