“Machismo não passará” nem na transmissão do Lollapalooza

Apresentadora criticou DJ Borgore pelas letras "misóginas e babacas" num directo.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Que o combate ao machismo é (felizmente) um assunto do momento todos nós sabemos. Que há cada vez mais plataformas públicas de crítica e revolta contra quem diminui as mulheres e o seu papel social, também sabemos. Mas alguma vez imaginaste o caso ser denunciado desta forma na televisão?

Aconteceu no famoso festival Lollapalooza na sua edição no Brasil e a protagonista foi a apresentadora de televisão Titi Müller. Titi fazia directos para o canal pago BIS no passado dia 26 de março e tem chamado a atenção nas redes sociais por ter criticado, ao vivo na transmissão, o espectáculo que estava prestes a começar do DJ israelita Borgore.

Depois de uma pequena introdução onde falou sobre a trajetória do produtor, focou-se no conteúdo machista de algumas das suas músicas.

Na medida que ele foi ganhando visibilidade, as letras compostas por ele, extremamente machistas, misóginas… babacas mesmo, foram ganhando visibilidade.”

Citou ainda uma das letras de Borgore para exemplificar o seu ponto: “aja como uma vadia, mas antes lave a louça” – e estendeu os seus comentários para outra actuação do festival, a da dupla de DJs australianos NERVO: “Teve muita gente que foi em defesa dele (Borgore), a própria NERVO – que vai tocar aqui hoje e não autorizou a nossa transmissão.”

Ao final do seu discurso, a apresentadora criticou a própria transmissão do concerto do israelita: “Eu gostaria de dizer que machistas não passaram neste canal, mas vai passar agora, pelo menos no palco Perry”, disse. “É isso aí, Borgore, vai que é tua, querido”, ironizou.

Depois de poucos segundos de transmissão do concerto de Borgore, Titi voltou ao directo para anunciar que o espectáculo não ia continuar a ser transmitido no canal BIS – podia ser visto apenas online no site do canal pago Multishow: “Lá está o palco Perry na íntegra, sendo machista ou não.” A administração do BIS veio entretanto dizer que não parou a transmissão do espectáculo por causa dos comentários da apresentadora mas que o directo nunca esteve previsto na grelha da emissão.

O momento tem sido altamente partilhado nas redes sociais e tem chamado a atenção para um debate tão necessário no Brasil. Depois do directo, o Estadão (um dos maiores jornais brasileiros) publicou um artigo chamado “Veja 10 indícios de que DJ Borgore é machista”.

Numa altura de muito tumulto político no Brasil, em que assistimos quase diariamente ao crescimento do compromisso político de cada vez mais brasileiros, o discurso de Titi Müller foi importante por tudo o que o envolveu. Basta pensar se imaginamos algo parecido a acontecer num festival e televisão em Portugal.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!