Mas que filme é este ‘Malapata’?


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Junta alguns dos nomes mais conhecidos das últimas décadas da cultura popular nacional e é realizado por um ainda novato na matéria, Diogo Morgado. Mas afinal, o que esperar de Malapata?

Malapata conta a história de dois colegas que depois perceberem que tinham o bilhete de Euromilhões premiado vêem as suas vidas entrar numa espiral de azar. Co-protagonizado por Rui Unas, Marco Horácio e Luís de Matos – no papel de Luís de Matos – é definida pelo realizador como uma comédia popular feita em regime low cost.

Apesar de algumas expectativas ou ideias pré-concebidas que o nome Diogo Morgado possa aportar, este não é de todo um filme dramático ou uma recriação da vida de Cristo. Como o próprio realizador faz questão de salientar em entrevista ao DN, Malapata adopta um registo semelhante ao dos telefilmes e não pretende substituir-se ao cinema português feito por autores consagrados como Marco Martins, Ivo Ferreira ou António Pedro Vasconcellos. Escrito a meias com o irmão, protagonizado por um antigo colega de escola, Malapata é um projecto despretensioso e que só quer acrescentar à diversidade da produção nacional.

Esta não é a estreia de Diogo Morgado como realizador, papel a que se tem vindo a habituar nos últimos anos com a companhia do irmão Pedro, com quem já realizou duas curtas metragens, Break em 2013 e, mais recentemente, no ano passado, Excuse apresentada no The Famous Fest.

Malapata chega amanhã aos cinemas de todo o país com o apoio de uma operadora de telecomunicações.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!