Mozilla e Pocket juntam forças

Chegou o momento de oficializar um namoro antigo.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

27 de Fevereiro foi um dia histórico para a Mozilla. A empresa, com mais de 15 anos e conhecida pelo seu produto-estrela Firefox, fez a sua primeira aquisição estratégica – o Pocket, um serviço que permite guardar conteúdos da web para mais tarde.

O namoro entre a Mozilla e o Pocket já era antigo e até já te tínhamos falado dele, quando esta extensão para ler mais tarde se tornou standard no browser da raposa. Agora, com o consumar da operação, o casamento é oficial e as empresas vão passar a viver juntas.

Embora possa à primeira vista ser só mais uma aquisição no mundo da tecnologia, este é um negócio que nos permite imaginar novos horizontes no futuro da internet. A Mozilla que tem como princípio fundamental ‘Internet para todos, não para o lucro’ junta-se agora ao Pocket a aplicação que te queria salvar da inundação de conteúdo dos social media.

O Pocket será uma subsidiária independente, conforme reitera o CEO, Nate Weiner, numa publicação no blogue. As novidades devem surgir sobretudo do lado da Mozilla, que deverá aproveitar a equipa e o seu conhecimento, reforçando a sua aposta na iniciativa Context Graph.

O Context Graph é uma ideia da Mozilla para tornar a internet mais navegável fora dos grandes sites como o Facebook ou YouTube. Em síntese, é um sistema de recomendações baseado no teu perfil de navegação (e não no teu perfil de uma rede social), podendo ser-te apresentado de diversas formas.

Se quiseres ter um vislumbre do Context Graph, basta consultares a página de testes-piloto do Firefox através da qual podes ajudar a avaliar o desempenho desta e outras funcionalidades em desenvolvimento.

Sobre os valores do negócio não há dados de conhecimento público. Nas notas endereçadas pelas duas empresas, percebe-se a já longa relação que as duas empresas mantinham entre si. No caso do Pocket, a ligação à Mozilla existe desde o seu surgimento, uma vez que o serviço, que hoje conta 10 milhões de utilizadores activos, nasceu como add-on para Firefox.

Resta assegurar aos utilizadores de qualquer um dos serviços que estes não serão descontinuados nem alterados nos próximos tempos. A ideia desta aquisição passa antes por um concentrar esforços em prol de um objectivo comum.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!