Netflix vai restaurar e divulgar filme de Orson Welles

'The Other Side of the Wind' está por terminar desde os anos 1970.

filme de Orson Welles
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

São mais de mil rolos de filme antigo que representam um verdadeiro Santo Graal da história do cinemaThe Other Side of the Wind centra-se – irónicamente – na história de um realizador da velha guarda com problemas em terminar a sua última obra por causa de uma nova geração de cineastas. É uma sátira a Hollywood e à forma como muitas vezes as modas e os histerismos anulam trabalhos e trabalhadores consagrados.

Na vida real, o que impediu Orson Welles de terminar o seu filme foram problemas de produção, financiamento e até questões legais, que levaram os negativos a serem apreendidos e a obra a permanecer inacabada por mais de 40 anos.

O cineasta norte-americano filmou de 1970 a 1976. O 10-vezes-nomeado-para-um-Óscar John Huston é o protagonista e a produção original contava ainda com a participação de Dennis Hopper e Peter Bogdanovich

Depois de décadas de arranques e paragensThe Other Side of the Wind vai tornar-se uma realidade disponível em todo o mundo. As bobines que estiveram por mais de 4 décadas fechadas num estúdio francês já estão a caminho de Los Angeles para serem restauradas e complementadas.

O projecto vai ser supervisionado por Frank Marshall, produtor que trabalhou no filme original. Ao The Guardian, que lançou a notícia, disse que ainda não acredita na possibilidade que aqui nasceu: “Não consigo acreditar, mas depois de 40 anos a tentar, estou tão agradecido pela paixão e perseverança do Netflix que permitiu que, finalmente, pudéssemos ir para a sala de corte para terminar o último filme do Orson.”

O director de conteúdos do Netflix, Ted Sarandos diz que “Como tantos outros que cresceram a adorar a arte e a visão de Orson Welles, este é um sonho tornado realidade.”

Ao Wellesnet (site dedicado à obra de Orson Welles), o produtor Filip Jan Rymsza diz que parte do acordo com o Netflix também exige a entrega de uma impressão da película em 35mm, o que poderia abrir a porta para uma possível distribuição do filme por cinemas de todo o mundo, ao lado do lançamento no Netflix.

Se isso acontecesse, e os amantes do cinema em todo o mundo pudessem ver a última obra deste grande realizador, o Netflix ficaria para sempre com os louros de dar um fim a toda a esta história, que nem nos seus melhores argumentos Welles seria capaz de escrever.

 

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!