‘Sound of Silver’ faz 10 anos e é o álbum de uma geração

O segundo álbum dos LCD SoundSystem foi lançado a 12 de Março de 2007. Deu-nos "All My Friends" e outras canções.

 

Há cinco anos que James Murphy vinha preparando isto, desde que, com “Losing My Edge”, definiu uma geração pós-9/11 que começava a propagar a Internet. Em 2002, o hino dos LCD Soundsystem poderia soar presunçoso, hoje é vital e define uma geração. Em 2017, quando digitamos “Losing My…”, o motor de busca ainda nos sugere o êxito dos R.E.M., mas o tempo ainda deverá fazer justiça pela cantiga que lançou o projeto de James Murphy.

Em 2007, o revivalismo pós-punk entrava em decadência (Franz Ferdinand, Kaiser Chiefs, Futureheads entre outros, já tinham editado os seus discos mais entusiasmantes) e falava-se da nu-rave que dava os primeiros (e últimos) passos, com os Klaxons e os Hadouken (“Losing My Edge” também era sobre eles, mesmo que na altura não existissem). Dez anos depois, a farsa que foi Myth of the Near Future já foi há muito desmascarada e quem o colocou no topo das listas de balanço anual em detrimento de Sound of Silver provavelmente enfiou-se num buraco.

É curioso que Sound of Silver tenha sido editado precisamente no mesmo dia (12 de março), mas 40 anos depois da estreia dos Velvet Underground, disco que imortalizou a Nova Iorque mais decadente do final dos anos 60. A Nova Iorque de James Murphy é outra, é um sítio cool, mas de rendas altíssimas. Recorde-se que em meados da década passada, Brooklyn afirmava-se como epicentro criativo da música ocidental. Mesmo James Murphy e Andy Warhol (manager dos Velvet entre 65 e 67) embora de personalidades aparentemente distintas (um excêntrico, outro recatado) partilham afinidades à distância de quatro décadas: Murphy criou a DFA, Warhol esse polo cultural chamado Factory.

Mas Sound of Silver é mais do que um disco sobre Nova Iorque, é um álbum que abrange os temas que sempre importaram a James Murphy: a nostalgia e o envelhecimento, os dois tópicos que  o terão atirado para fora de combate. Porque quando interpreta “All My Friends”, canta sobre um tempo que já passou, uma geração que se reunia, convivia e todos aqueles outros lugares comuns que estamos habituados a ouvir e que os smartphones, as consolas, a Internet, enfim, as tecnologias nos levaram. É a canção que melhor capta a atitude dos Millenials, como reafirma a Stereogum neste magnífico artigo. Não admira que, com o passar dos anos, esta tenha passado a ser a peça central do segundo álbum dos LCD Soundsystem. Capta na perfeição um tempo de mudança, a transição para o pós-Internet e pós-redes sociais. A propósito, em tempo de Hi5, o registo foi partilhado em streaming, no Myspace, semanas antes da edição e sucedeu a mixtape 45:33, criada para a Nike.

A música de Sound of Silver larga aquela atitude punk do primeiro disco, a atitude de quem passa Daft Punk no CBGB (facto!). E bebe de muitas outras músicas, o que não surpreende, pois Murphy foi DJ antes de ser os LCD Soundsystem. Portanto, quando cita os Kraftwerk ou Doctor’s Cat (“Get Innocuous”), está a fazê-lo em jeito de homenagem. Entretanto, de França, os Justice preparavam a estreia e a Ed Banger juntar-se-ia à DFA no mapa das editoras de música de dança mais influentes dos últimos dez anos.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.