Pianista está a tocar durante 20 dias na Gulbenkian e na net

Uma instalação artística integrada no BoCA (Bienal de Arte Contemporânea), que está a decorrer até 30 de Abril.

Marino Formenti
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

É provavelmente a casa mais relaxante do país – e qualquer pessoa lá pode entrar. Vai estar durante 20 dias nos jardins da Gulbenkian, em Lisboa, e tem um residente fixo: o pianista Marino Formenti, que durante as cerca de duas semanas não fará outra coisa que não tocar piano.

Uma instalação artística que é simultaneamente um teste de resistência. Marino fará naturalmente pausas para comer, ir à casa-de-banho ou dormir, mas durante os 20 dias estará quase sempre ao piano e consecutivamente em voto de silêncio. A sua jornada arrancou no domingo 9 de Abril e só terminará dia 29.

As portas da casa improvisada na Gulbenkian, uma criação do arquitecto Ricardo Jacinto, estarão abertas todos os dias entre as 10 e as 20 horas (sábado até às 23). Estás convidado a entrar, sentar-te ou deitar-te durante o tempo que quiseres (tens uma série de colchões e almofadas para estares mais confortável). Podes aproveitar ainda para comer, ler um livro ou trabalhar. Há uma única coisa que não podes fazer: falar.

O pianista tem um livestreaming montado da sua performance, possibilitando a quem não pode deslocar-se à Gulbenkian de, mesmo assim, acompanhar o seu trabalho. A transmissão estará activa activa durante 24 horas por dia:

Ao longo do directo, somos convidados a explorar diferentes partes do edifício, uma vez que a câmara não está sempre a mostrar o pianista. Ora vemos as pessoas que, curiosas, espreitam pela janela e as suas caras de quem não percebeu muito bem o que estava ali a acontecer; ora estamos vários minutos a ver uma parte da parede.

Esta instalação artística do Ricardo Jacinto e Marino Formenti foi baptizada de “Nowhere”, assumindo este lugar o estatuto de lugar nenhum, uma vez que a casa foi concebida para ser facilmente montada e desmontada.

A iniciativa surge no âmbito da primeira edição do BoCA (Bienal de Arte Contemporânea), que reune uma vasta programação, das artes visuais e performativas à música, até 30 de Abril.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!