Europa Sobre Rodas: escolha da autocaravana #2

Antes de começarmos a ver autocaravanas, nunca nenhum de nós tinha entrado numa e foi tudo uma grande novidade.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A nossa escolha de caravana foi, logicamente, condicionada pelo dinheiro que tínhamos disponível. A nossa ideia inicialmente era comprar uma autocaravana um pouco mais recente, mas, como só tínhamos 10 000 euros para gastar (incluíndo arranjos mecânicos), não restavam muitas opções.

A primeira alternativa era compramos uma autovivenda, que, embora seja mais barata, acarreta dois pequenos problemas – o tamanho e a casa de banho. Pensando numa viagem tão grande, sentimos necessidade de ter um espaço amplo e uma casa de banho funcional, onde pudéssemos inclusive tomar banho. A segunda opção foi uma Fiat Ducato 1.9TD, que, por ter turbo, anda um pouco mais, especialmente nas subidas, mas também se torna um pouco mais susceptível a problemas mecânicos. A última e terceira opção foi a que comprámos – uma Fiat Ducado 2.5D. Apesar de ser um pouco mais lenta, tem uma mecânica muito simples e fiável, factor que pesou muito na decisão, pois se viermos a ter algum problema qualquer mecânico nos consegue ajudar.

Antes de começarmos a ver autocaravanas, nunca nenhum de nós tinha entrado numa e foi tudo uma grande novidade. Vimos duas autocaravanas antes de compararmos a que actualmente temos. Quando vimos esta, ficámos logo muito entusiasmados, pois estava impecável por dentro e por fora, levámos connosco uma pessoa que percebia de mecânica que nos disse que parecia estar tudo OK. Como o dinheiro não caiu do céu e foi resultado de muito trabalho, a decisão de compra não foi fácil, porque comprar uma carrinha de 30 anos tem sempre o seu risco.

Alguns factores a ter em conta antes de comprar uma autocaravana são: os problemas de humidade (especialmente as caravanas mais antigas têm muitos e os interiores começam a apodrecer); a ferrugem  (muitas caravanas são importadas de países com muita neve, o que faz com que tenham muita ferrugem por causa do sal que metem na estrada); os equipamentos, frigorífico, fogão, água quente…; e por fim, muita atenção à mecânica.

A caravana custou-nos 8 500 euros. Depois de a compramos fizemos uma revisão geral básica (filtros, pastilhas, óleos), mudámos a correia de distribuição (420 euros), metemos um jogo de pneus novos (300 euros) e finalmente tínhamos o mais importante para seguir viagem.

O diário de viagem Europa Sobre Rodas volta com mais um capítulo desta aventura durante esta semana.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!