O novo Google Earth é mais simples, bonito e educativo

Serviço tem agora uma versão web e também está disponível no Android.

Nos últimos anos, a Google deu muito mais atenção ao Maps que ao Earth, mas isso mudou agora. A empresa apresentou e lançou o novo Google Earth, dando-lhe uma função muito mais educativa que utilitária.

Disponível agora na web (através do Chrome) e com uma aplicação renovada para Android, o novo Google Earth permite-nos percorrer o mundo de uma ponta à outra, descobrindo cidades, monumentos, paisagens e refúgios naturais através de imagens de satélite, fotografias de alta resolução, vídeos e modelos 3D. A interface foi simplificada e destaca o propósito educativo da aplicação.

Na versão web, encontramos do lado direito cinco botões principais – a pesquisa para quando sabemos exactamente o que queremos; o “Voyager” para explorar o mundo através de visitas guiadas interactivas; o “Sinto-me Com Sorte”, que nos leva para um ponto de interesse aleatório; os locais que guardámos; e, por fim, a funcionalidade de partilha.

O “Sinto-me Com Sorte” é onde corremos o risco de passar mais tempo. Cada clique no botão é um novo local que descobrimos e o factor surpresa está em nunca sabermos para onde o Google Earth nos vai levar a seguir – podemos estar a explorar a Cascata Nevada no parque californiano de Yosemite e, no minuto a seguir, estar a descobrir uma praia remota no Brasil, a sobrevoar uma torre emblemática de Chicago ou a explorar uma vila chinesa no meio do nada.

No novo Earth, quase tudo é tridimensional – não só cidades mas também paisagens naturais, incluindo casas, árvores, sinais de trânsito… A qualquer momento podes desactivar o 3D e ir para um mapa a duas dimensões, clicando no botão que aparece no canto inferior direito da interface, onde estão também a bússola, o cursor para ir para a tua localização actual e a opção de Street View, para explorar inúmeras ruas através de imagens 360º de alta resolução.

Quando encontras algo que te fascina, podes guardar numa lista privada no Earth ou partilhar com os amigos ou seguidores – ambas as funcionalidades estão facilmente acessíveis na aplicação, quer na web, quer na app móvel.

O Voyager é uma nova opção para explorar o planeta com ajuda de cientistas, historiadores e outros especialistas. São visitas guiadas que podes fazer, sentado ao computador ou de telemóvel na mão, a locais tipicamente remotos, com a ajuda de textos explicativos, imagens e vídeos. A Google diz que no Voyager estão disponíveis 50 visitas guiadas; ao entrar na secção, é impossível não reparar numa série de conteúdos produzidos com o carimbo da BBC Earth.

Segundo a Google, esta nova versão do serviço esteve dois anos em desenvolvimento. O renovado Google Earth funciona, para já, apenas no Chrome, sendo que o suporte para outros browsers será adicionado no futuro. Também nos planos está o relançamento da aplicação para iOS, uma vez que só a versão Android foi actualizada. As antigas aplicações desktop continuam disponíveis, sem alterações, para download gratuito – tanto para macOS como para Windows.

A Google aproveitou o relançamento do Earth na web e smartphones para apresentar o Google Earth VR para Oculus Rift, os óculos de realidade virtual da empresa do Facebook. Até agora, o Google Earth VR só estava disponível através da plataforma Steam para os óculos HTC Vive. No ecossistema da Oculus, os comandos Oculus Touch são suportados para uma melhor interacção com a interface virtual da aplicação.

A renovação do Google Earth é muito bem-vinda e, sem coincidências, chega a poucos dias da celebração do Dia da Terra (22 de Abril). A Google tornou claro o posicionamento das suas duas aplicações de mapas e localização: o Google Maps é uma ferramenta utilitária, que abrimos para saber como ir de A a B; o Google Earth é uma espécie de “Wikipédia” da Terra.