Vhils estreia a sua primeira criação de palco em Lisboa

Peça coloca seis bailarinos numa cenografia criada por Alexandre Farto. Em cena dias 7 e 8 de Abril no CCB.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Como parte da programação do BoCA (Bienal de Arte Contemporânea), o artista plástico Vhils vai apresentar a sua primeira criação de palco, intitulada Periférico“uma reflexão sobre a evolução urbanística, a emergência das subculturas urbanas e o impacto de ambas no panorama de Portugal nas décadas de 1980, 1990 e 2000″, segundo se lê numa nota de divulgação.

As suas intervenções escultóricas em edifícios de todo o mundo não deixam ninguém indiferente, mas agora Vhils assume desvio conceptual: cria uma obra que não está afeta a um lugar específico mas à universalidade do palco, cujas qualidades se concentram de modo a viajarem pelo espaço e pelo tempo. Esta sua primeira criação de palco tem por base a experiência pessoal do artista, que dialoga com as gerações crescidas no nosso país, no período que se seguiu à Revolução de Abril e à adesão à Comunidade Europeia.

De acordo com a mesma nota, a narrativa é desenvolvida em vários actos encadeados, e é expressa através do olhar de um adolescente que cresce nos subúrbios da capital, reflectindo o modo como a sua vida foi influenciada e moldada através destas transformações. “A peça, que explora uma convergência entre vários territórios artísticos, cria uma sinergia entre artes visuais, música (contemporânea e popular), dança (clássica e de rua), fomentando um encontro dinâmico entre universos por vezes excludentes: cultura de rua e cultura de palco, meios marginais e meios institucionais de criação, cultura global e cultura local”, refere.

Periférico estará em cena nos dias 7 e 8 de Abril, a partir das 21 horas, no Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém. Os bilhetes custam 15 euros e poderiam ser adquiridos online se não tivessem esgotado.

Periférico
Conceito e direção: Alexandre Farto (Vhils)
Encenação e coreografia: Anaísa Lopes (Piny)
Assistência de encenação e assistência de coreografia: Filipe Baracho
Bailarinos: Alberto Perdomo (Mucha), Douglas Silva (Dougie), Leonor Ramos (Leo), Lúcia Afonso, Maria Antunes, Nelson Teunis
Desenho de luz: Pedro Azevedo
Cenografia: Alexandre Farto
Banda sonora original: Chullage, DJ Ride
Sonoplastia: Chullage
Vídeo: DJ Ride, Alexandre Farto
Seleção de vídeo: Alexandre Farto, DJ Ride
Video Mapping United VJs: Pedro Zaz, Pushkhy, ManuHell Borges, António Afonso, Daniel Rondulha
Produção: Luís Alcatrão
Apoio: Jazzy Dance Studios
Co-produção: BoCA (Biennial of Contemporary Arts), CCB

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!