Um ataque informático de larga escala está a afectar a Peninsula Ibérica

Um vírus infectou através do sistema operativo Windows empresas como a espanhola Telefónica e a portuguesa MEO.

A operadora espanhola Telefónica e a portuguesa MEO terão sido algumas das empresas infectadas, esta manhã de sexta-feira, por um ataque informático de larga escala. Os trabalhadores destas empresas foram aconselhados a desligar os seus computadores da rede e alguns clientes reportaram problemas nos seus serviços de televisão, segundo conta o Jornal de Notícias (JN).

O ataque à Telefónica foi reportado pelo jornal “vizinho” El Mundo, tendo várias fontes adiantado ao JN que o MEO também estaria a ser afectado. O jornal português adianta que os sistemas da operadora portuguesa no Porto, em Coimbra e em Lisboa, também os da KPMG terão sido contaminados. “Os computadores afectados ficaram com o monitor azul e não ligaram mais”, disse uma fonte ao JN.

Através do Twitter, Chema Alonso, referido pelo El Mundo como “uma das figuras mais mediáticas no que respeita à segurança da Telefónica”, diz que as notícias são exageradas e os seus colegas estão a trabalhar agora mesmo” na resolução do problema. O responsável da Telefónica partilhou um relatório do Centro Criptológico Nacional (CCN-CERT), a entidade espanhola responsável pela gestão de incidentes cibernéticos em sistemas classificados, do sector público e de empresas de interesse estratégico.

Nesse documento, o CCN-CERT refere que se tratou de um ataque do tipo Ransomware, uma versão do já popular WannaCry – em que, após se hospedar no sistema operativo, o vírus encripta toda a informação disponível, pedindo ao utilizador um resgate em bitcoins. A mesma entidade adianta que tudo aponta para que a vulnerabilidade explorada pelos hackers neste ataque tenha sido divulgada pela própria Microsoft no boletim de segurança MS17-010, a 14 de Março, o que pode indiciar a falta de actualização dos aparelhos agora atacados.

Outra das informações recolhidas até ao momento dão conta dos sistemas operativos passíveis de serem afectados, sendo eles: Windows Vista SP2, Windows Server 2008, Windows 7, Windows 8.1, Windows RT 8.1, Windows Server 2012 & R2, Windows 10 e Windows Server 2016. Uma informação essencial para que utilizadores destas versões do sistema operativo da Microsoft possam verificar as suas actualizações de segurança.

Do lado da Telefónica, do MEO e das outras empresas, espera-se que a questão fique resolvida com brevidade. Segundo o JN, a Polícia Judiciária já teve conhecimento da situação, encontrando-se a Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e a Criminalidade Tecnológica (UNC3T) a “fazer diligências no sentido de apurar a amplitude e características” do caso”.