Europa Sobre Rodas: uma avaria em Cracóvia #8

Depois de 6 meses de viagem, tivemos o nosso primeiro problema mecânico, que nos obriga a ficar em Cracóvia pelo menos até terça-feira.

Depois de 6 meses de viagem, tivemos o nosso primeiro problema mecânico, o que nos leva a ficar aqui em Cracóvia, pelo menos até terça-feira.

Quando chegámos a Cracóvia, fomos para o centro procurar um lugar para estacionarmos como sempre fazemos. Quando estávamos na baixa da cidade, deixámos de conseguir pôr mudanças, mesmo no meio da estrada, possivelmente no pior sítio onde podia ter acontecido. Depois de alguns momentos em que já estávamos a pensar chamar um reboque, lá conseguimos arrancar a caravana em segunda e ir até à primeira oficina que nos apareceu. Quando lá chegámos, disseram-nos que não nos podiam ajudar porque a caravana era muito alta e não cabia lá dentro. Embora haja aqui muitas oficinas, são poucas as que arranjam carrinhas deste género.

Acabámos por ir para uma loja de auto-caravanas que fica a 5 km do centro. Tem água, luz, internet, segurança 24 horas e um sítio com relva onde podemos parar o veículo. No meio do azar, foi uma grande sorte – é que se tivéssemos de ficar 10 dias à porta de uma oficina, sem água, onde despejar a sanita e longe de tudo ia ser um pouco mais complicado. À partida, será o kit de embraiagem, mas não temos a certeza, só vamos saber mais concretamente na terça-feira quando os mecânicos derem uma vista de olhos.

El Camp, oficina/loja de auto-caravanas

Decidimos alugar uma mota para podermos visitar esta zona sul da Polónia, sem termos que estar apenas limitados a Cracóvia. Descobrimos uma pessoa que aluga motas e por cinco dias pagámos 90 euros, o que é um preço bastante em conta.

Fomos até ás Montanhas Tatra, que ficam na fronteira com a Eslováquia, umas montanhas alpinas que fazem parte da cordilheira dos Cárpatos e que são uma zona bastante turística para os polacos – e é uma das poucas zonas na Europa onde há ursos selvagens no seu habitat natural.

Montanhas Tatra

Aproveitámos também para ir ao campo de concentração de Auschwitz, local que pelas piores razões dispensa qualquer tipo de descrição. Foi muito marcante ver um sítio onde morreram tantas pessoas, em condições tão miseráveis. Os nazis quando abandonaram o campo, destruíram as câmaras de gás e os crematórios para esconder os crimes horríveis que cometeram, mas dá para ver os escombros para onde eles mandavam as cinzas dos mortos, as barracas onde as pessoas dormiam e sobretudo o tamanho do campo, onde podemos ter a noção da dimensão da ‘’maquina da morte’’ que ali existia.

Campo de concentração, Auschwitz

Fomos também a um parque nacional, chamado Ojcow National Park, que tem umas formações rochosas muito interessantes, muitas árvores e grutas, e que fica apenas a 25 quilómetros do centro da cidade.

Parque Natural Ojcow

Cracóvia foi, provavelmente, dos melhores sítios para termos ficado ‘’encalhados’’. Primeiro é uma cidade muito bonita, com muita vida, jovens, muitos monumentos. É bastante barata (jantámos por 15 euros) e em seu redor é tudo verde. A juntar a isso, tivemos a sorte de ter uma oficina de auto-caravanas mesmo ao pé do centro. Agora só falta solucionarem-nos o problema e terça-feira estarmos de volta a estrada, de preferência ainda com dinheiro para continuarmos a viagem…