Um resgate por ‘Orange Is The New Black’

A Netflix ignorou o aviso e um hacker divulgou a nova temporada da série.

leak orange is the new black
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Aconteceu a semana passada e fez com que a 5ª temporada da série norte-americana estreasse mais de 1 mês antes da data prevista. O Netflix só vai divulgar os novos episódios a 9 de Junho mas um hacker (ou grupo de hackers) – conhecido como TheDarkOverlord – antecipou-se e deixou os 10 primeiros disponíveis no Pirate Bay.

Diz a história que conseguiu aceder aos servidores da empresa de pós-produção Larson Studios em finais de 2016 e que terá em sua posse conteúdos de outros canais e distribuidores como a ABC, Fox, National Geographic e IFC.

Terá chantageado e pedido resgates a todas as entidades responsáveis, ameaçando com a publicação dos episódios que mantinha reféns.

O valor não é conhecido, mas no caso do Netflix o caso foi altamente mediatizado por vários motivos. Primeiro, porque Orange Is The New Black é a série original de maior sucesso na plataforma de streaming; segundo, porque o Netflix recusou as ameaças e não cedeu.

Muitas perguntas ficam no ar. Além da curiosidade em torno das próximas séries que podem vir parar à web, importa perceber o que esteve por trás deste hack e se valeu a pena para alguém, além dos fãs da série. É que, se as ameaças se vierem a confirmar, este pode vir a ser um dos maiores leaks de sempre.

Se a motivação foi o dinheiro do resgate, o plano de TheDarkOverlord não foi bem sucedido. Se havia motivos activistas e a ideia era causar impacto no mundo web o caso muda de figura. No Twitter, thedarkoverlord teceu duras críticas ao Netflix, não só por não ter aceite pagar o resgate, mas pela sua política como empresa: It didn’t have to be this way, Netflix. You’re going to lose a lot more money in all of this than what our modest offer was.” A declaração continua: We’re quite ashamed to breathe the same air as you. We figured a pragmatic business such as yourselves would see and understand the benefits of cooperating with a reasonable and merciful entity like ourselves.”

Entre favoritos, retweets e milhares de menções nos media e Internet, o grupo tem visto o seu nome ampliado e, consequentemente a sua mensagem difundida. Mas quem é (são?) afinal TheDarkOverlord? O Torrentfreak.com parece-nos ser a melhor fonte para apurar esta dúvida. Diz-nos que vários relatórios de segurança indicam que se trata de um grupo de hackers em prolífero crescimento que reclamou a autoria de uma série de cyber-ataques nos últimos tempos. Divulgou contratos e dados de empresas de construção e organizações médicas e parece levar o seu trabalho muito a sério.

O pedido de resgate foi feito por via de um documento elaborado como se de um autêntico contrato se tratasse. O Torrentfreak, que garante ter tido acesso ao texto, refere que os TheDarkOverload dizem que, inicialmente, o estúdio concordou em pagar o valor pedido: 50 Bitcoin (o equivalente a cerca de 67.000 dólares) até 31 de janeiro. O tal “contrato” até terá sido assinado, com os hackers a utilizar o nome “Adolf Hitler”. Algo aconteceu durante o mês de janeiro, e o estúdio desistiu. Terá sido nessa altura que a chantagem se voltou para o Netflix.

De acordo com a declaração dos TheDarkOverload, depois de dois meses de “negociaçõs unilaterais”, uma vez que o Netflix nunca aceitou pagar qualquer valor pelo resgate dos episódios, o grupo foi forçado a leakar a série.

Nunca deixam muito claro o que os leva a agir mas costumam ser bastante provocativos quando o fazem, principalmente no Twitter. Desta vez apenas disseram que divulgar esta informação era apenas “a ponta do iceberg”. Até agora, sobre o assunto, o Netflix apenas disse que estava a par do hack feito aos Larson Studios: “Um fornecedor de produção usado por alguns dos maiores estúdios de televisão teve a sua segurança comprometida e as autoridades de justiça estão no terreno.”

Não referiu se os episódios leakados são mesmo os da 5ª temporada, não adiantou se, agora, vai acabar por os divulgar oficialmente mais cedo, nem partilhou qualquer dado sobre os “estragos” causados pelo hack. Certo é que o sucesso da série pressupôs a renovação do contrato com o criador Jenji Kohan e que esta temporada surge num momento forte do enredo, com um motim em curso na prisão de Litchfield.

Antes do leak, o Netflix tinha anunciado que: “Esta temporada sem precedentes decorre em tempo real ao longo de apenas três dias, e altera drasticamente a vida das reclusas à medida que lutam pela redenção, resolução e o respeito que merecem.”

Confere em baixo o trailer.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!