O logo do novo MEO ao detalhe

Em 2018, o MEO vai passar a Altice. Analisamos o futuro logo da operadora.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Até ao segundo semestre de 2018, o MEO vai passar a chamar-se Altice, integrando a marca de telecomunicações multinacional e de escala global, com oferta comercial em Portugal, França, Estados Unidos e outros países.

O nome Altice já existia nos bastidores – designando o grupo empresarial que, em cada mercado, opera uma marca comercial própria. Em Portugal, é o MEO. Em França, é a SFR. Nos Estados Unidos, é a Optimum. São esses os nomes que os consumidores dos vários países conhecem e com o qual se relacionam nas várias dimensões do marketing. Mas a Altice – que é sediada na Holanda e também está presente na Bélgica, Suécia, Israel, Quénia e República Dominicana – quer mudar isso.

Para tal, redesenhou com a ajuda da conceituada agência de design Turner Duckworth a sua marca e redefiniu a estratégia de comunicação. Até final de 2018, em todo o lado será o logo e o nome da Altice a aparecer – a Altice será uma espécie de “nova Vodafone”.

A nova identidade da multinacional Altice pretende traçar guidelines estratégicas globais e que traduzem a actuação da altice enquanto um todo e não um conjunto de várias partes.

O logótipo é baseado na letra ‘a’ e na ideia de caminho. O que à primeira vista pode ser um parecer um pouco estranho revela o seu potencial em animação ou outras aplicações ilustradas. O traço inferior e mais claro, que sob fundo preto causa algum desequilíbrio à forma, transforma-se num princípio para metáforas visuais que ajudam a dar vida à marca.

A assinatura não é uma tirada de génio mas parece adequar-se à estratégia, posicionamento e notoriedade que a marca quer atingir, deixando prever traduções e declinações nos vários países onde actuaAo longo do documento de apresentação da identidade, nota-se uma atenção clara e muito particular ao público interno – não poderia deixar de ser assim, uma vez que também milhares de colaboradores da marca verão a sua camisola trocada.

A fonte utilizada, quer na wordmark, quer na comunicação da Altice, assemelha-se bastante ao símbolo da marca, o que acaba por de um modo ambivalente beneficiar tanto o reconhecimento da tipografia como a identificação do logo. Não tão óbvia mas uma referência que provavelmente também foi tida em conta é a letra Alpha do alfabeto grego, cuja semelhança é evidente.

Uma nota final para a apresentação muito extensa e palavrosa, com slides imensos e descrições repetitivas da marca. Talvez devessem ter perdido esse tempo a trabalhar o equilíbrio da forma?

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!