Vai mesmo acontecer: música experimental num reservatório de água

Iniciativa acontece dias 27 e 28 de Maio, no Barreiro, e é de acesso gratuito mediante inscrição.

 

O 80º Aniversário da Água Pública no Barreiro promete proporcionar inusitados espectáculos sonoros no Reservatório Elevado do Alto da Paiva, uma das mais icónicas e reconhecidas estruturas na rede de abastecimento de água no concelho.

Na sequência de uma Open Call internacional para propostas artísticas, que resultou em mais de uma centena de candidaturas, foram escolhidos quatro projectos que celebram a relação entre a Água e o Som, oriundos do Reino Unido, França, Brasil e Portugal. São eles:

    • “TAP THE RAIN” com Melaina Barnes + Jean-Philippe Drecourt: Melaina Barnes é uma artista britânica, membro fundador do Breathing Space Collective, grupo que tem vindo a desenvolver nos últimos anos um vasto catálogo de trabalhos site-specific. Jean-Philippe Drecourt é um artista sonoro a residir actualmente em Portugal, tendo recentemente (e curiosamente) completado uma tese de mestrado acerca de fugas de água em redes de abastecimento. Juntos, apresentarão a peça “TAP THE RAIN”, que combina vocalizações com a manipulação de vários dos sons que documentam as várias estruturas da Rede de Abastecimento e Saneamento do Barreiro.
    • “WATER MUSIC” com Luís Bittencourt: Luís Bittencourt é um percussionista, compositor e investigador de origem brasileira, actualmente a residir no Porto. Com trabalho desenvolvido no campo das novas músicas, dedica particular atenção a instrumentos percussivos pouco habituais, e investigou, em contexto académico, o uso da água enquanto fonte sonora através do estudo da obra “WATER MUSIC”, do compositor chinês Tan Dun. É precisamente esta obra que virá interpretar no Reservatório do Alto da Paiva.

  • “OTOLITH ORGANS” com Alberto Lopes: Alberto Lopes é um dos artistas associados da Sonoscopia, associação cultural portuense que reúne vários dos mais destacados músicos e criadores sonoros do norte do país. Na actuação no Reservatório, utilizará os “OTOLITH ORGANS”, instrumentos de criação colectiva que emitem som em ambiente aquoso, inspirados nos otólitos – estruturas moleculares localizadas no ouvido interno, responsáveis pelo equilíbrio postural.
  • “SCREAMING TOWER” com Carlos Santos + Nuno Torres: Carlos Santos é um músico e coleccionador sonoro de Lisboa, com um extenso trabalho quer na área dos field recordings/documentação sonora, quer no campo da improvisação, no qual é dos membros mais ativos da rede de improvisadores nacionais e internacionais ligados à celebrada editora Creative Sources. Nuno Torres é um saxofonista, também de Lisboa, e também dos mais activos membros da comunidade alargada do jazz mais livre e da improvisação na capital. Apresentarão a peça “Screaming Tower”, que combina a instrumentação tradicional com a utilização, em tempo real, de vários elementos sonoros presentes quer no interior quer no exterior do Reservatório.

As actuações vão acontecer a 27 e 28 de Maio, às 16 e às 18 horas. Cada sessão é composta pelas quatro performances em sequência; a entrada é livre mediante inscrição obrigatória para info@outra.pt.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.