Europa Sobre Rodas: Ucrânia #10

Ucrânia.. dos países que estivemos menos tempo e que mais nos marcou.

Quando saímos da Eslováquia, viajámos em direcção à Ucrânia. A Ucrânia é um país menos ocidental sobre o qual nenhum de nós tinha grande opinião formada. Como o país não pertence ao espaço Schengen, tivemos que passar uma fronteira mais morosa, revistaram-nos a caravana, carimbaram-nos os passaportes e perguntaram-nos o porquê de estarmos ali. Assim que atravessámos a fronteira as diferenças foram evidentes, a começar pelas estradas, que eram péssimas. Ainda não tinhamos estado em estradas tão más desde que saímos de Portugal, o que se torna pior quando se viaja numa auto-caravana.

Igreja Ortodoxa, Mukacheve

Todas as pessoas olhavam para nós como se nunca tivessem visto uma autocaravana, o que também foi diferente face aos outros países. Vimos alguma pobreza na Ucrânia, a maioria dos ucranianos não ganha mais de 100 euros por mês, sendo o ordenado mínimo cerca de 70 euros e o médio 190 euros. O gasóleo por exemplo é 70 cent/L;  1,5Kg de morangos – 1 euro; comemos fora num bom restaurante, 3 pratos, 2 sumos de laranja e 2 cafés por 4,5 euros; um maço de tabaco varia entre 0,50cent da sua marca própria e 1 euro, Marlboro. No supermercado os produtos produzidos no país são nitidamente mais baratos, por exemplo 1 Kg de pão custa 20 cent. Por outro lado, nos produtos importados (enlatados, produtos de limpeza..) reparámos que a diferença não era assim tanta na comparação com Portugal.

Comida típica Ucraniana

A moeda também é diferente do euro, sendo que 1 Euro são mais ou menos 30 Hryvnia (moeda ucraniana). A sua escrita, Cirílica, também é bastante diferença, a começar pelo alfabeto utilizado.

Preço do gasóleo – 36,66 euros, 50 Litros
Placas de indicação de cidades

Visitámos duas cidades, Uzhhorod e Mukacheve e as diferenças visuais são bastante notórias em comparação connosco. Os camiões, autocarros, ambulâncias e carros dos bombeiros são super antigos, as estradas todas esburacadas e vê-se muitas pessoas a viver em “barracas”; a maioria das casas são antigas, todas as infra-estruturas têm no mínimo 30 anos e vimos muitas pessoas a viver no meio rural. Em Mukacheve estivemos num mercado interior e noutro de rua, onde havia muitas pessoas a vender apenas um produto, como leite em garrafas, morangos, batatas, outros apenas feijões, frutos secos, senhoras que só vendiam colorau, outros vendiam apenas ervas aromáticas, ainda cheias de terra. Também vimos uma família com muitas crianças à procura de coisas no lixo e uma menina sem camisola lá dentro, por ser mais pequenina e caber facilmente, o que nos impressionou muito.

Senhora que só vendia Colorau
Mercado de rua

Tivemos mais um problema com a nossa autocaravana, não pegava, numa área verde perto de um castelo. Um problema eléctrico, possivelmente desencadeado pelos mecânicos que nos arranjaram a caravana em Cracóvia. Tentámos pedir ajuda a um grupo jovem de ucranianos e eles não sairam de ao pé de nós até nos solucionarem o problema, atitude que nos surpreendeu bastante. Não nos sentimos inseguros, mas em países mais pobres, ficamos sempre mais apreensivos em deixar a caravana sozinha porque é tudo o que temos.

Foi dos países que estivemos menos tempo, mas que mais nos marcou por ser um país que culturalmente não é ocidental e onde podes ver muitas diferenças. Um país que por estes motivos gostámos muito de conhecer e do qual não nos queríamos despedir tão cedo, mas tendo que continuar com o nosso caminho, levamos para sempre as lembranças dos momentos que passámos e do que vimos.

Camião Ucraniano