Este livro da Antena 3 tem quase 1 kg de música portuguesa

Quando uma rádio edita um livro.

Antena 3 música portuguesa

Depois de dois anos de gestação, nasceu por fim 111 Discos Portugueses: A Música na Rádio Pública, um livro produzido pela Antena 3 sobre a música em Portugal dos últimos 80 anos, de Amália a Rui Veloso, de José Cid a The Legendary Tigerman.

Publicado pelas Edições Afrontamento, o livro tem 248 páginas, pesa perto de 1 kg e vai estar disponível em várias livrarias. Nuno Reis, director da Antena 3, e os radialistas Henrique Amaro e Luís Oliveira coordenaram a edição desta obra, que começou a ser pensada com o pretexto dos 80 anos da rádio pública em Portugal. “Não pretendemos ter a escolha definitiva dos discos portugueses mais importantes destes 80 anos mas não duvidamos que os que elegemos são fundamentais para contar a história da música nacional e, em paralelo, a da rádio pública no nosso país”, referem Nuno, Henrique e Luís numa nota de imprensa.

“Alguns destes 111 discos manifestaram‑se de forma imediata, outros exigiram alguma reflexão no sentido de cumprir um dos principais critérios: um disco por artista”, acrescentam. 111 Discos Portugueses: A Música na Rádio Pública foi escrito por meia centena de investigadores, jornalistas, críticos, divulgadores e melómanos ligados ao universo radiofónico, que fizeram as suas escolhas e defenderam os seus argumentos. “Combinando depois a média democrática de gostos pessoais com o que consideramos ser justiça histórica e objectividade jornalística, tentámos ser diversos nos estilos, épocas e formatos.”

Segundo Nuno Reis, Henrique Amaro e Luís Oliveira, 111 Discos Portugueses: A Música na Rádio Pública é o resultado de um trabalho longo e processo atribulado, “como acontece sempre nas coisas que apaixonam”, mas o resultado – que conta com o apoio da FNAC – enche‑os de orgulho. “Não só este é um apanhado da mais significativa música gravada e editada em Portugal, como uma colectânea de textos de pessoas com papel determinante na divulgação de música no nosso país. Além disso, permite também perceber a evolução e as tendências que foram marcando o design gráfico de capas de discos e como estas dialogam com o conteúdo musical que envolvem. Um puzzle de 111 peças que compõe uma panorâmica da música feita em Portugal.”