Cory Henry e a Metropole Orchestra juntos numa rendição perfeita do Purple Rain

Master Cory, como é apelidado pelos fãs, tocou ao sabor da nostalgia de um dos temas mais emblemáticos da história.

Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

As aparições ao vivo do teclista de Snarky Puppy com a orquestra holandesa já não são uma surpresa. A primeira vez foi em 2015, na gravação do disco ao vivo “Sylva”, onde os Snarky Puppy se juntaram à Metropole Orchestra para interpretar temas originais de Jazz. A seguir a este projecto sucederam-se uma data de concertos pela Europa e América, onde na totalidade dos dois grupos estiveram presentes 64 músicos.

Em 2016, o lendário Quincy Jones foi curador da BBC Proms e juntou Cory Henry, Jacob Collier e a Metropole Orchestra, mais uma vez liderada pelo maestro Jules Buckley. Em conjunto interpretaram a Billie Jean do Michael Jackson, elevando a música para um outro espectro intelectual.

Este ano o North Sea Jazz, um dos mais importantes festivais de Jazz, localizado em Roterdão, apresentou um alinhamento de luxo, contando com nomes como Chick Corea, Dhafer Yussef, Yussef Dayes, Wayne Shorter, Usher c/ The Roots, José James, Solange, Mick Jenkins, Herbie Hancock, Jamiroquai, Kamasi Washington, Robert Glasper, entre muitos outros. O festival recebeu também a magnífica formação do Cory Henry, com o Jacob Collier e a Metropole Orchestra. Nesta rendição do Purple Rain, Collier é um mero espectador. O palco ficou entregue à orquestra e ao sentido harmónico do jovem teclista. Cory vem aqui mostrar que canta cada vez melhor, algo que não é surpresa e se torna evidente nesta interpretação de Purple Rain do Prince. O Master Cory, como é apelidado pelos fãs, tocou ao sabor da nostalgia de um dos temas mais emblemáticos da história.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.