Ao que parece o líder do Daesh está mesmo morto

Informação é avançada pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos, depois da suspeita russa.

líder do Daesh morto
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

As primeiras notícias de que Abu Bakr al-Baghdadi, o homem conhecido como líder do Daesh, estaria morto surgiram no dia 16 de Junho deste ano. Foi o Ministro da Defesa russo que disse ter suspeitas de que um dos ataques aéreos feito pela sua armada teria vitimado um dos homens mais procurados do mundo, entre 300 outros membros do grupo terrorista. O alvo terá sido a cidade de Raqqa, habitual ponto de encontro das chefias da organização terrorista.

A notícia foi recebida com natural cautela e até agora não havia segundas vozes que corroborassem a tese levantada por Sergei Shoigu. Do lado dos Estados Unidos houve apenas a confirmação de que a Rússia levou mesmo a cabo os ataques aéreos no dia 28 de Maio.

Agora – dois dias depois das primeiras notícias da conquista de Mosul, no Iraque, ao Daesh pelas tropas iraquianas – junta-se aos defensores da tese da morte de al-Baghdadi mais uma importante organização. O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (SOHR), uma organização com sede no Reino Unido e que tem como papel monitorizar os conflitos naquele local, garante ter confirmado esta notícia através de fontes locais na província de Deir az Zor com contacto directo com a liderança do grupo.

Já a causa da morte continua uma incógnita. A mesma fonte de informação revelou apenas ao SOHR que a morte terá acontecido perto da fronteira com o Iraque. À data do anúncio russo, foram apontadas algumas inconsistências no argumento e com certeza ainda fará correr tinta.

Recorde-se que al-Baghdadi tem um histórico de desaparecimentos a considerar nesta matéria – não é visto desde Julho de 2014 quando apareceu na Grande Mesquita de Al-Nuri, em Mosul e desde a difusão de uma gravação áudio a apelar à ofensiva terrorista em Novembro de 2016 que não dava prova de vida.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!