O Governo chinês quer espiar minoria muçulmana através de uma app

O pedido insólito - chamemos-lhe assim - começou a circular por WeChat, a popular aplicação de mensagens.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Quem primeiro deu nota desta medida foi a Radio Free Asia, uma organização de media sem fins lucrativos, que levantou a pista que a imprensa internacional está a seguir e divulgar e que aponta para mais uma medida altamente controversa do Governo Chinês. A relação do Estado com a sua população Uyghur é há anos conhecida por ser difícil e, agora, cresce a pressão institucional sobre esta comunidade de maioria muçulmana que vive na região autónoma de Xinjiang.

O pedido insólito – chamemos-lhe assim – começou a circular por WeChat, a popular aplicação de mensagens e, traduzida pelo Mashable, dava ordens aos utilizadores de smartphone para que digitalizassem o QR Code de modo a fazer o download da aplicação Jinwang, um software que depois de instalado, identifica e grava diversos registos do telemóvel.

Segundo a mesma notícia, a aplicação Jingwang analisa os ficheiros no telemóvel comparando os protocolos de assinatura digital com uma lista previamente determinada e tem como objectivo – ou pretexto – detectar e prevenir o consumo de conteúdo relacionado com o terrorismo, obrigando o utilizador a apagar os conteúdos sempre que sinalizados. Para além desta função, a Jingwang é responsável também por colectar datos do WeChat e do cartão SIM do utilizador.

Esta não é a primeira medida do Governo Chinês especialmente direcionada ao povo muçulmano de ascendência turca que vive naquele local. Os cerca de 8 milhões de muçulmanos que vivem na região de Xingjiang são uma das pedras no sapato do todo-poderoso governo chinês que procura assim fazer frente a crescentes tensões separatistas ou outro tipo de marginalização violenta.

Motivos à parte, esta parece não ser uma medida, de todo, ajustada. A obrigatoriedade de instalação da app e a vigilância massificada e não dirigida, dá contornos à medida de espionagem do estado sobre os cidadãos. Aos receptores da mensagem foram dados 10 dias para que instalassem a aplicação.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!