Porque é que é importante que saibas quem foi Simone Veil?

A autora da lei de legalização da interrupção voluntária da gravidez em França foi também a primeira mulher a presidir ao Parlamento Europeu.

 

“Não podemos continuar a fechar os olhos”, disse a então ministra da Saúde, a 26 de Novembro de 1974 quando subiu à tribuna da Assembleia Nacional francesa para falar em nome das 300 mil mulheres que todos os anos abortavam clandestinamente no país. O discurso voltou a ser recordado em França, no dia em que o país chorou a morte de Simone Veil, a poucos dias de fazer 90 anos.

A autora da lei de legalização da interrupção voluntária da gravidez em França foi também a primeira mulher a presidir ao Parlamento Europeu. Feminista inflexível, figura maior da vida política francesa, foi a primeira mulher a assumir as funções de ministra de Estado no país.

Curadora da Fundação Champalimaud, académica com fortes convicções morais e republicanas, Simone Veil nasceu a 13 de Julho de 1927 em Nice, sudeste de França, no seio de uma família judia e laica. Foi deportada em 1944 para o campo de concentração de Auschwitz juntamente com a mãe e uma das suas irmãs. Acabou por escapar à II Guerra Mundial e incarnava para os franceses a memória do holocausto judeu: “Penso que sou uma optimista, mas não tenho ilusões desde 1945.”

A 13 de Dezembro de 1974, a ministra francesa da Saúde, Simone Veil, fala sobre a lei do aborto perante o Parlamento francês em Paris. (Eustache Cardenas/AFP)

Com o número de prisioneira para sempre tatuado no corpo e na memória, Simone regressou a França, matriculou-se na Sciences Po, onde conheceu Antoine Veil, seu marido e futuro presidente da companhia aérea francesa UTA. Tiveram três filhos e Simone acabou por sair de casa e por se tornar magistrada. Daí para a frente, a sua ascensão foi imparável.

Em 1956 entra para a administração penitenciária francesa, onde se ocupou das questões relacionadas com a adopção. Em 1969 foi nomeada conselheira do então ministro da Justiça, no ano seguinte tornou-se a primeira mulher secretária-geral do Conselho Superior da Magistratura. Em 1974 chegaria o convite que marcou a sua carreira. Entra na política como ministra da Saúde do Governo de Jacques Chirac e combate contra uma grande parte da direita francesa para adoptar a lei do aborto.

O Libération recorda como a experiência do Holocausto tornou Veil numa europeísta convicta: “A Europa arrastou por duas vezes o mundo inteiro para a guerra. Ela deve encarnar agora a paz.” A pedido de Giscard d’Estaing concorre às primeiras eleições europeias e acaba por assumir a presidência do Parlamento Europeu em 1979. Jacques Delors, futuro presidente da Comissão Europeia, recorda que nesses dias iniciais da integração europeia Simone Veil “demonstrou ter uma qualidade rara, a do discernimento”.

Manteve-se no cargo até 1982. Entre 1984 e 1989, liderou o Grupo Liberal e Democrático do Parlamento Europeu. Voltou à política em 1993 para assumir funções como ministra de Estado e da Segurança Social, Saúde e Cidades, mas foi no Conselho Constitucional, a mais alta instância judicial, que passou a última década da sua vida activa. Em 2007 apareceu ao lado de Nicolas Sarkozy na sua corrida à presidência francesa.

A 10 de Junho de 1979, Simone Veil coloca na urna o seu voto para as Eleições Europeias, em Paris. (Pierre Guillaud/AFP)

Acumulou distinções: a Legião de Honra, a presidência da Fundação para a Memória da Shoah (em memória dos sobreviventes do Holocausto) e a do topo das preferências dos franceses, que em 2014 votaram nela como a sua personalidade feminina preferida.

Simone Veil foi ainda eleita em 2008 para a Academia Francesa, mas nos últimos anos, a idade e a doença foram-na afastando da vida pública, mas nunca do imaginário do país. “Continuo a acreditar que vale sempre a pena batermo-nos por qualquer coisa. Digam o que disserem, a humanidade está hoje mais suportável do que no passado”, afirmou há alguns anos ao Libération. “Acusam-me de ser autoritária. Mas só me arrependo de não me ter batido por esta ou aquela questão.” 

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.