Shepard Fairey, criador do mítico “Obey”, expõe em Lisboa

Serigrafias sobre papel, edições em madeira serão algumas das técnicas em exposição no Armazém 56 da Rua Fernando Palha, mas não serão únicas por Lisboa.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Shepard Fairey, o autor de um dos corpos de trabalho mais icónicos no mundo da street art, passará pela primeira vez por Portugal, a convite da Underdogs Gallery. Apresentará na capital a sua exposição “Print Matters”, uma série continua de exposições sobre a importância da impressão na sua carreira. O autor de peças como o mítico “Obey” ou da estilização do retrato de Barack Obama chega ao nosso país aos 47 anos e com toda uma história por descobrir em cada peça da exposição.

“Print Matters” é uma experiência a que Shepard se dedica há já sete anos, desde a estreia em Los Angeles, e é, por isso, um reflexo desse período de tempo traduzido ao seu estilo, em coloridas e provocadoras ilustrações.

Fairey, um dos artistas politicamente mais atrevidos da nossa geração, conta com mais de 25 anos de carreira e um lugar mais que merecido no Hall of Fame, tendo dado o mote – e algumas ideias – para toda a geração que o sucedeu. A predominância do stencil (ou a simulação visual do efeito), as cores contrastantes, as mensagens irónicas e os sorrisos marotos dos homens mais poderosos são imagens de marca a que se sobrepõem ainda mais um espírito livre e independente, só equiparável a poucos artistas, como Banksy. 

Serigrafias sobre papel, edições em madeira serão algumas das técnicas em exposição no Armazém 56 da Rua Fernando Palha, mas não serão únicas por Lisboa, onde, como é hábito dos convidados da Underdogs Gallery, Shepard já começou a deixar as suas marcas. Como provam as fotografias do progresso da colaboração entre dois pesos pesados, Shepard e Vhils.

A exposição pode ser visitada entre 21 e 31 de Julho e entre 1 a 23 de Setembro, visto que a galeria encerra em Agosto. Se ficaste curioso sobre o processo deste artista que te habituaste a ver estampado em paredes das cidades dos filmes, podes sempre ir até ao Youtube e espreitar este vídeo de 2012 onde Shepard se dá a conhecer, às suas motivações e a algumas das suas técnicas para trabalho noutros registos e suportes.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!