Sónar 2017: três dias de arte, música e (mesmo) muita energia

A reportagem deste festival foi feita através do olhar, remetendo nas fotos a paixão e o extâse pela música.

Sónar 2017
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Com três dias a soar música quase 24 horas por dia, o Sónar 2017 fez véspera aos 25 anos do evento (2018) e foi tão feliz como um dia 31 de Dezembro. Só existiu espaço para agitação e movimento, conduzido pelas linhas sonoras estabelecidas pela versatilidade de estilos dos artistas que passaram pelos palcos de dia e de noite, Sónar by Day e Sónar by Night respectivamente.

Com tanta escolha e diversidade tornou-se possível registar cada artista e a sua audiência ou cada emoção envolvida. Aproximámo-nos mais dos artistas de forma a registar com nitidez a energia e rigor das suas actuações.

A reportagem deste festival foi feita através do olhar, remetendo nas fotos a paixão e o extâse pela música e pela artisticidade que é vivida no séc. XXI e que este festival consegue espremer ao máximo. Os consecutivos incríveis line ups, especialmente no que toca à música electrónica, combinados com as disruptivas conferências sobre tecnologia e arte estabelecem uma vibe difícil de igualar e que culmina em actuações únicas de talentos emergentes ou nomes alternativos de excelência.

Ao longo dos 3 dias desta edição passaram pelo palco nomes como Andersoon .Paak, Justice, Gaika, Princess Nokia ou Arca – todos eles habitués das nossas playlists.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.