Alguma vez pensaste ir beber uma cerveja com todos os teus amigos de Facebook?

O Rúben Pardal pensou, fez disso um projecto online chamado #ABeerWith e escreveu-nos sobre ele.

Haja paciência para a minha mãe quando o meu telemóvel não deixa de receber notificações. Estou a falar a sério, e olhem que gosto muito da minha mãe. Para ela não há telemóvel à mesa. A internet ainda a continua a assustar e a maior ameaça que ela me faz é a de criar um Facebook. Sim, ela não é assim tão moderna. Nem quer. Ela tem as características das mães do início dos anos 90. Não sabe o que é FOMO, YOLO, mas diz-me muitas vezes que namorar sem telemóvel era a melhor parte. Ou que juntar os amigos era mais fácil, porque o grau de comprometimento nas relações era maior. Não havia WhatsApp para o habitual “Peeps, estou atrasado 15 min.”, a menos que passasse um pombo correio. Estou a brincar, a minha mãe também não é assim tão velha.

A minha mãe não fica nervosa quando vê que a mensagem no WhatsApp foi lida, mas do lado de cá nada foi dito. E aposto que, se tivesse Instagram, também não ficava nervosa se as suas fotos não tivessem likes. Já eu (e vocês, confessem…) não passo pelo mesmo. Sabem aquela ansiedade que o Mark Renton sente no Trainspotting quando lhe falta heroína? Eu já me senti assim, longe do meu telemóvel. São drogas diferentes, mas o sentimento é o mesmo.

A minha mãe sempre me ensinou que quando as coisas não estão bem é necessária reflexão. Não tóxica. E foi no combate a este “síndrome de Renton” que comecei os 25 anos. Uma espécie de metadona que me permitiu fazer um balanço daquilo que tenho comigo e do que ainda quero. Confesso que os desejos não são muito diferentes dos vossos: que a minha família continue a ser curtida, uma casa na praia, putos a brincar, a aparição da mulher da minha vida enquanto dançamos Rubel na nossa casa na praia e que continue forte esta rede de amigos que, por mais que abanes (e 2017 tem sido de abanões), não te deixa cair. Eu tenho vários grupos de amigos, uns mais coesos do que outros, isto porque tenho andado a recusar demasiadas imperiais, mas já lá vamos.
Para além do meu grupo de amigos, o Mark Zuckerberg relembrou-me dos meus 2500 amigos que fazem parte da minha vida online, o que me fez pensar realmente quem eram estas pessoas e em que altura a sua opinião se cruzou com a minha, bem como a forma como me relaciono com elas e mesmo com os meus amigos mais próximos.

Foi aqui que percebi que andamos todos a precisar de menos WhatsApp, Facebook e Instagram e mais visitas inesperadas. A sério, eu não tenho mãos para contar o número de imperiais recusadas aos meus amigos e é aqui que entra o compromisso que eu vos falei acima e de que a minha mãe tanto fala. Isto, por falta de tempo, vontade, ou porque não me apetece fazer rigorosamente nada. Continuamos a reunir-nos num grupo de WhatsApp para encurtar a distância entre quem mais amamos, mas o que acabamos por fazer é encurtar a duração das nossas relações. Porque não cuidados, não falamos, não queremos.

É pelo número de imperiais recusadas que nasce o #ABeerWith. Um compromisso (uma palavra que ficou nos tempos da Expo 98, quando ainda nem havia Nokia 3310) comigo mesmo e com os meus amigos. A promessa de que nos próximos 3 anos, ou o tempo necessário para completar isto, vou convidar para uma cerveja, duas cervejas, várias cervejas, grandes amigos, amigos, amigos cujo nosso reencontro ficou pelo “temos de combinar” no chat de Facebook, conhecidos e desconhecidos do meu Facebook e dar a conhecer o que cada uma destas pessoas me ensinou.

Um exercício para lembrar a importância de estar offline, sair fora das redes sociais, conhecer pessoas fora do feed, dos comments, dos likes e dos shares. Um exercício para celebrar a individualidade de cada uma das pessoas que tive o prazer de conhecer durante toda a minha vida até agora.

E mesmo que a vossa mãe não seja dos idos de 90, ficaria orgulhosa se fizessem o mesmo, porque anda por aí tanta gente com histórias tão bonitas, mais do que aquelas contadas por fotografias de praia nas nossas redes sociais.

Consulta o projecto do Rúben em: http://abeerwith.tumblr.com ou no Instagram em: @abeer.with.

Milhares de pessoas seguem o Shifter diariamente, apenas 50 apoiam o projecto directamente. Ajuda-nos a mudar esta estatística.