Charlottesville: a Vice esteve no sítio certo à hora certa, sem saber

O programa de informação da revista VICE na HBO, dedicou o episódio de segunda-feira aos bastidores dos confrontos do passado fim-de-semana.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Por esta altura, o vídeo já foi visto mais de 3 milhões de vezes, e não é para menos. É que, primeiro, foi disponibilizado de forma gratuita na internet, algo que a Vice não costuma fazer com as reportagens que vão para o ar no Vice News Tonight. Segundo, porque o vídeo é um retrato absolutamente incrível dos meandros da extrema-direita norte-americana.
Todos aqueles clichés que costumamos ouvir associados ao KKK, nazis, supremacistas brancos, aqueles que achamos que só acontecem nos filmes, ganham vida na reportagem de Elle Reeve.
A jornalista e a sua equipa acompanharam os preparativos da reunião “Unir a Direita”, que esteve na origem do ataque do passado sábado em Charlottesville.
Elle segue especificamente Christopher Cantwell, o autor de um programa de rádio online chamado Radical Agenda. Cantwell e as suas declarações são a alma do princípio e do fim da reportagem – no meio há o momento do atropelamento mortal, que actua em nós de forma quase catártica, com imagens e entrevistas inéditas in loco.

Um dos representantes do “Unir a Direita” diz por exemplo que gostava que Donald Trump fosse “ainda mais racista” e que não tivesse deixado a sua filha casar com um judeu. Diz que “Nós não somos anti-violência – matamos estas pessoas se for preciso, foda-se”. Exibe a sua colecção de armas e explica como a morte de Heather Heyer de 32 anos, foi para si justificada. Deixa um aviso: a violência não se ficou por aqui e mais virá brevemente.

A equipa da Vice acompanha a manifestação de extrema direita, sem fazer a mínima ideia do que está para vir. O momento do ataque é, como já referimos, impossível de explicar. Destacamos-te o minuto 13’34”, onde se vê o desespero de uma mulher que berra – não grita: berra de desespero – enquanto ganha consciência do que acabou de acontecer. De tal maneira, que mal se aguenta em pé.

No rescaldo do ataque, depois de todas as declarações que já ouvimos de Trump sobre o sucedido, depois de todas as repercussões que teve para o Executivo norte-americano, importa divulgar este vídeo para conhecermos uma realidade que não nos é tão distante assim e que parece que vai estar mais próxima do que gostaríamos nos últimos tempos.

O hype em torno da reportagem é tal que a jornalista Elle Reeve foi entretanto convidada para falar sobre o seu trabalho em várias estações televisivas norte-americanas. Em baixo, deixamos-te o vídeo da sua participação no noticiário da CNN, onde explica melhor o que viu naquele dia.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!