Escrever 750 palavras por dia, não sabes o bem que te faria

Técnica serve para despejar a cabeça para o papel, deixando espaço para o que realmente importa.

Foto de: Terry Madeley/Flickr

Invadiu as redes sociais, os media e a conversa sempre que se fala de rotinas matinais. Pega na longa tradição dos escritores matutinos e faz disso terapia ao acesso de todos. Com uma espécie de Dieta dos 30 dias para Geeks ou um substituto natural para a meditação para os irrequietos, o hábito das 750 palavras de Morning Pages tem ganho adeptos nas novas gerações. Oliver Burkeman, jornalista do The Guardian, Tim Ferriss, podcaster internacionalmente reconhecido, ou Buster Benson, do Slack, são alguns dos nomes que notabilizaram o ritual nas suas publicações e o puseram na rota de quem pesquisa hábitos de desenvolvimento e organização pessoal.

A técnica não é nova e a sua popularização começou há muitos anos, em 1992, quando Julia Cameron lançou um livro sobre criatividade “The Artist’s Way”, em que, entre outros relatos, destacava a escrita manual de 750 palavras como um hábito essencial todas as manhãs. O hábito terá ganho importância na vida da escritora e realizadora após um filme falhado, servindo como mecanismo terapêutico contra a perda de auto-estima, as self-doubts ou os bloqueios criativos.

No site Morning Pages não precisas de registo e podes controlar o teu ritual com um contador de palavras.

A técnica é simples e não tem grandes regras, apenas algumas guias que o caracterizam mas que cada um pode adaptar – ou ir adaptando – à medida que sente o potencial da experiência. Escrever, à mão, as cerca de 750 primeiras palavras que te vierem à cabeça. Não existe um tema chave ou uma direção para o exercício, a ideia é, literalmente, despejar a cabeça para o papel. Como refere em diversas entrevistas a autora, não há mal em começar os primeiros dias com “tenho sono e estou mal disposto”. O importante é dedicar algum tempo e aproveitar para deixar no papel os pensamentos que habitualmente esvoaçam na cabeça, deixando espaço livre para o que é realmente importante.

Adiar a hora não é contudo uma adaptação recomendável, uma das particularidades de escrever ensonado é que o cerébro estará demasiado mole para se censurar, o que fará com que tudo flua embora possa não ter grande sentido.

Existem algumas apps para ajudar a cumprir o ritual mas não parecem necessárias neste caso, nem sequer estar à altura de um bloco clássico e uma caneta bic. De qualquer modo, damos nota da 750words.com criada pelo supra referido Buster Benson e a morningpages.com, onde podes encontrar contadores de palavras e outras experiências associadas.

No 750 Words, depois de te registares, tens acesso a várias notas para inspirarem a tua escrita, apesar dos teus textos serem privados.

Os testemunhos com que nos cruzámos, mesmo aqueles que deixámos de fora do primeiro páragrafo por não serem tão mediáticos, reportam todos redução da ansiedade e clarificação do pensamento. Buster Benson resume com um explicíto “Better that medidation” – embora aqui se deva ler “Better than “amateur” medidation”. Para além disso, estabelecer uma rotina cria predisposição para a organização e a produtividade, especialmente quando nos obriga a acordar cedo e a cedo acordar o nosso cérebro.

Da minha parte e como nota final do artigo, fica a promessa feita de começar amanhã de manhã. Saberão por quanto tempo, se assim se justificar.