Algoritmo da Google consegue remover marca de água de fotos

A Google avisou o Shutterstock e o banco de imagens já está a encontrar soluções.

 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Em Junho, a Google informou o Shutterstock, um dos maiores bancos de imagem online, de um avanço que poderia destruir de uma só vez todo o seu negócio: um algoritmo capaz de remover, sem esforço humano, a marca de água aplicada a qualquer fotografia..

O Shutterstock, à semelhança de outros bancos de imagem, usa marcas semi-transparentes para proteger a sua biblioteca de fotos. Apesar de ser possível (mas muito difícil) remover esses elementos através de um programa de edição como o Photoshop, um algoritmo tornaria a tarefa muito menos morosa, tornando tudo automático.

O algoritmo da Google analisou centenas de imagens com marcas de água iguais, como as do Shutterstock e aprendeu a decidir que pixel corresponde a uma destas marcas, conseguindo assim remover cirurgicamente todos esses pixels. Muitas das marcas de água são semi-transparentes, pelo que o algoritmo consegue interpretar a imagem e saber com precisão a cor do pixel que completa a imagem original.

Felizmente a Google só chegou a este algoritmo para fins de investigação, mas a tecnologia fez soar os alarmes naquele que é um dos maiores e mais utilizados bancos de imagem. Qualquer pessoa com a capacidade certa pode remover “a marca de água e criar um mercado paralelo, basicamente infringindo direitos de autor”, explica ao Quartz Sultan Mahmood, directora de engenharia do Shutterstock.

O Shutterstock pode correr menos risco se começar a utilizar marcas de água aleatórias nas imagens. Se o padrão mudar de foto para foto, um algoritmo pode ter muito mais trabalho a removê-lo completamente.

Depois do aviso da Google, o Shutterstock juntou 5 engenheiros para resolver o problema. As marcas de água aleatórias já começaram a ser aplicadas ao catálogo de mais de 150 milhões de fotos do Shutterstock. Mesmo assim, segundo Mahmood e o Quartz, a empresa não está satisfeita com esta solução para longo prazo e está a trabalhar em formas mais seguras de proteger o seu portfólio.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.