“Sinto que a minha participação no Sonic Mania é o culminar destes anos todos”

Um fã português infiltrado no Sonic Mania

Já maior de idade, a saga Sonic the Hedgehog ainda corre a bom ritmo pela indústria de videojogos. Percorridos 26 anos, a mascote da SEGA está de volta com um título que cheira a novo, mas com a essência pura dos clássicos 16-bit que lançaram o ouriço azul da SEGA na corrida com o canalizador italiano da Nintendo: Sonic Mania.

O novo título da SEGA pode ser jogado com Sonic, Tails ou Knuckles.
O novo título da SEGA pode ser jogado com Sonic, Tails ou Knuckles.

Mais de duas décadas depois, os gráficos de Mega Drive e o cenário 2D voltam a estender o tapete vermelho às aventuras de Sonic para travar Dr. Eggman (ou Dr. Robotnik para os fãs mais antigos). Reedições, como o “mais-do-que-clássico” Green Hill Zone, ou níveis totalmente novos, como Studiopolis Zone, gameplay refrescado com novos movimentos e com a companhia de Miles “Tails” Prower e Knuckles, o jogo já arrecadou elogios e pontuações elevadas dos principais críticos: IGN (8,7/10), Gamespot (9/10) e Eurogamer (“Essencial“) são alguns dos rendidos ao novo título nostálgico que faz viajar qualquer jogador aos primórdios da década de 1990. Enquanto o jogo já foi lançado para as principais consolas no passado dia 15 de Agosto, os “pc gamers” vão ter de aguentar a ansiedade até ao final do mês.

Contudo, uma peça fulcral dos videojogos, em especial no franchise da SEGA, são as suas bandas sonoras. Quem se aventurar pelas águas do Atlântico encontra do outro lado do oceano um português a viver um sonho de criança. A viver nos Estados Unidos desde a adolescência, é compositor de videojogos e foi convidado para dirigir a banda sonora de Sonic Mania. O Shifter esteve à conversa com Tiago Lopes, mais conhecido no mundo artístico por “Tee” Lopes, músico e adepto assumido dos clássicos da SEGA. A veloz mascote não é exceção e motivou o jovem lusitano a trabalhar com Christian Whitehead e PagodaWest Games na elaboração do mais recente título.

Tee Lopes é o responsável pela epopeia musical em Sonic Mania.
Tee Lopes é o responsável pela epopeia musical em Sonic Mania.

Quais as tuas expectativas quanto ao lançamento de Sonic Mania?

Espero primeiramente que jogadores novos e antigos se divirtam bastante com o título. Espero que desfrutem da banda sonora e que possa abrir novas portas para a minha carreira com este trabalho e inspirar outros compositores a lançarem-se também!

É a primeira vez que participas num projeto de tal envergadura? Como foi a experiência de dirigir a componente musical de um dos maiores franchises de videojogos? Quais foram os principais desafios?

Sim, é o meu primeiro projeto desta magnitude. Foi uma experiência muito divertida e cheia de desafios, porque as bandas sonoras das principais séries de “Sonic The Hedgehog” sempre tiveram um lugar muito especial no coração dos fãs e, como tal, existe sempre uma pressão de pelo menos se manter o nível de qualidade musical de antigamente. De acordo com a reação desta fanbase exigente, penso que se conseguiu!

Como é que foste contactado ou como foi o processo para integrar a equipa responsável pela produção de Sonic Mania?

Há uns anos atrás participei num projeto coordenado por fãs chamado “Sonic 2 HD”. Quando o projeto estagnou, dois dos artistas envolvidos juntaram-se e formaram a “PagodaWest Games” e convidaram-me para ser o músico residente e compor para todos os seus jogos. Passados poucos anos, eles juntaram-se a Christian Whitehead e Stealth para produzir o Sonic Mania e juntos decidiram que eu deveria ficar a cargo da música.

Esperas continuar ligado a futuros projetos da SEGA, PagodaWest Games e/ou Christian Whitehead?

Com certeza. Sou um grande fã da SEGA desde pequeno e conheço bem os seus títulos! Ver aquele logótipo azul onde quer que fosse sempre me deu um arrepio… é tudo parte da minha infância e é um prazer ser conotado com eles. Trabalhar com toda a equipa foi ótimo! São um grupo de indivíduos extremamente talentosos e, mais do que isso, são meus amigos e companheiros de sonho. Espero que aconteça novamente muito em breve!

“As bandas sonoras das principais séries de “Sonic The Hedgehog” sempre tiveram um lugar muito especial no coração dos fãs e, como tal, existe sempre uma pressão de pelo menos se manter o nível de qualidade musical”.

Segundo o teu website, desde 2008 que costumas realizar remixes de soundtracks de videojogos, nomeadamente dos anos ’90 e de Sonic the Hedgehog. Porquê a aposta nos remixes de clássicos da indústria de videojogos?

Não foi uma aposta, começou como um hobbie, até porque nessa altura eu estava envolvido no hip-hop e queria lançar-me como rapper – “Mc Tee”. No entanto, sempre estive ligado aos jogos e sempre imaginei como seria se os clássicos tivessem instrumentos reais. Então comecei a recriar alguns títulos usando teclados e módulos de som. Começou no YouTube e acabou nisto!

Consideras-te um fã do ouriço azul e da era do 16-bit? Qual a tua experiência com os jogos de Sonic?

Sem dúvida! Sempre gostei da mascote da SEGA pela sua personalidade arrojada, coragem e velocidade. É uma personagem que irradia autoestima e eu passava a vida a desenhá-lo. Em criança não tive uma [SEGA] Mega Drive, mas ofereceram-me uma [SEGA] Master System que tinha o Sonic 8-bit incorporado. Foi o primeiro que joguei do princípio ao fim. Continua a ter uma das minhas bandas sonoras favoritas.

“Ver aquele logótipo azul onde quer que fosse sempre me deu um arrepio… é tudo parte da minha infância e é um prazer ser conotado com eles”.

Mirage Saloon: Um dos níveis representativos da diversidade de cenário dos jogos de Sonic
Mirage Saloon: Um dos níveis representativos da diversidade dos cenários dos níveis de Sonic Mania

A tua família já estava ligada à música, mas quando surgiu concretamente a vontade de enveredar por esse ramo?

A vontade sempre cá esteve! A decisão de fazer música para jogos, mais exatamente, surgiu por volta de 2007, quando tive oportunidade de compor para um “puzzle” simples para o iOS. Gostei da experiência e quis continuar!

És natural de Coimbra e com 15 anos mudaste-te para o outro lado do Atlântico. Como foi a adaptação à sociedade americana?

Nasci em Coimbra, mas sou de Carregal do Sal, Viseu. A adaptação não foi complicada – fora deixar amigos e família. Tive a sorte de já falar algum inglês e de ter a minha família imediata comigo. Claro que houve situações engraçadas, outras complicadas, mas no geral sempre me senti em casa.

Sonic Mania - Green Hill Zone Act 1
Green Hill Zone: Um dos clássicos remasterizados em Sonic Mania

Quais foram os principais obstáculos e êxitos na formação da tua carreira profissional como compositor de videojogos?

É difícil começar. É preciso proporcionar as oportunidades certas para se ser notado como artista. Passei muito tempo a expor o meu trabalho de todas as formas possíveis, muitas vezes sem compensação financeira, a ouvir “nãos”…  Sinto que a minha participação no Sonic Mania é o culminar destes anos todos e sem dúvida o ponto mais alto da minha carreira até à data.

Com o toque português no Sonic Mania como exemplo, quais as tuas expectativas em relação à formação de profissionais no ramo dos videojogos em Portugal?

Seria ótimo que servisse de inspiração para outros produtores, não só em Portugal, mas pelo mundo inteiro. Um jogo oficial sobre a mascote SEGA, feito por fãs era algo impensável há alguns anos atrás! Mas a equipa provou que é possível, o que certamente abrirá novos caminhos na indústria dos jogos. Espero que isso venha a beneficiar outros sonhadores!

“Sinto que a minha participação no Sonic Mania é o culminar destes anos todos e sem dúvida o ponto mais alto da minha carreira até à data”.

!ATENÇÃO SPOILERS!

Apesar da qualidade da banda sonora para ser apreciada de olhos fechados, a verdade é que a melhor experiência é jogando. Para os mais curiosos e que não conseguem conter a ansiedade, deixamos uma amostra de gameplay de Green Hill Zone e Studiopolis Zone: