CCleaner infectado com malware chegou a 2,27 milhões de utilizadores

Já só 730 mil pessoas devem estar a usar a versão em causa.

CCleaner malware

O CCleaner (Crap Cleaner) foi infetado com malware que possibilita a transferência de software nocivo como ransomware e keyloggers. A empresa Avast, detentora do programa, já confirmou o hack, assim como a Piriform, a empresa responsável pelo desenvolvimento técnico.

A confirmação oficial já foi publicada e explica que as versões afectadas são a 5.33.6162 do CCleaner e a 1.07.3191 do CCleaner Cloud. A anomalia foi detetada no dia 12 de Setembro e foi registada em sistemas Windows de 32-bit. A ameaça está “resolvida, na medida em que o rogue server está desligado e outros potenciais servidores estão fora do alcance do hacker”. Entretanto, foram lançadas atualizações para resolver o problema e já só 730 mil pessoas devem estar a usar a versão em causa.

O malware recolhia vários dados dos utilizadores como o nome do computador, a lista de software instalado (incluindo updates do Windows), a lista de processos a serem executados, endereços MAC e outros detalhes técnicos como o acesso da conta administradora do PC. De acordo com o The Next Web, a marca afirma que os dados roubados estão encriptados e, por isso, a sua utilização é improvável.

A versão do CCleaner em questão tinha sido validada com um selo Symantec (produtora do Norton) e terá sido descarregada por 2,27 milhões de utilizadores. Se tens esta versão, deves atualizar o programa no site oficial. De qualquer forma, um representante da Avast sem desvalorizar o incidente, considera que se pode ter tratado de uma preparação para um ataque maior.